terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi adiada!



O SINDECC informa que a reunião que aconteceria amanhã, 18 de janeiro, às 16h, no Ministério do Trabalho, foi adiada para a próxima quinta-feira, 19 de janeiro, às 17h; visto que, o Mediador Francisco Reginaldo informou de última hora que precisará se ausentar por motivo de força maior.

A Diretoria do SINDECC reforça a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato, inclusive, na reunião de quinta-feira no Ministério do Trabalho. Juntos sairemos mais fortes e unidos.




sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi marcada para o dia 18 de janeiro




No dia 30 de novembro de 2016, os comerciários, em Assembleia Geral Extraordinária, aprovaram a Pauta de Reivindicações com 68 cláusulas. No dia 09 de dezembro de 2016, esta mesma Pauta foi enviada e protocolada junto ao Ministério do Trabalho e às entidades patronais.

Já no dia 27 de dezembro de 2016, na sede do Ministério do Trabalho, aconteceu uma reunião informal entre o SINDECC, SINDLOJA e o Gerente do Trabalho e Emprego, Francisco Reginaldo, onde ambas as entidades apresentaram seus novos dirigentes que farão parte do processo de negociação salarial para o ano de 2017. Na oportunidade, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 18, às 16h, no Ministério do Trabalho, quando o SINDECC receberá a contraproposta do Sindicato Patronal e repassará para toda a classe comerciária em uma nova assembleia.

Sendo assim, gostaríamos de reiterar a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato. Juntos sairemos mais fortes e unidos.

A Direção do SINDECC

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Feminicídio, Chacina em Manaus e outras heranças de 2016

Karinny Oliveira e Ronaldo Sales falam em entrevista empolgante para a TV SINDECC sobre a delicada questão do feminicídio que cresce a cada dia no Brasil, a chacina em Manaus, racismo e os rumos que 2017 já começou a tomar.




sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Desrespeito com trabalhadoras e Trabalhadores na Magazine Luiza em Caruaru



Fotos: Ricardo Soares / SINDECC





















Nossa equipe de fiscalização compareceu hoje (06/01/2017), às 15h, à empresa Magazine Luiza e constatou que funcionários estão trabalhando além da jornada de trabalho permitida. Excepcionalmente, hoje, foi solicitado pela Magazine Luiza, através de comunicado* apresentado junto à esta Entidade Sindical, o funcionamento da loja para uma campanha promocional (Liquidação Fantástica), com determinação de jornada de trabalho iniciada às 06:00h até as 14:00h, porém, conforme constatado pela equipe de fiscalização do SINDECC, já se passam das 15h e a loja continua aberta com vários empregados trabalhando e, ainda segundo denúncias, muitos deles não teriam almoçado até aquele momento. A Gerente da loja afirmou que nada demais estava acontecendo, pois se trata de um momento de festa e, sendo assim, tudo estaria na normalidade. O Ministério do Trabalho já foi acionado. Esperamos que esta falta de respeito com as trabalhadoras e trabalhadores seja punida na forma da Lei.


Sindicato dos Comerciários de Caruaru - SINDECC


 

Comunicado*



quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Campanha de Sindicalização 2017: Parceria com o Dr Roberto Vieira



Durante a Campanha de Sindicalização 2017 promovida pelo SINDECC, firmamos mais um convênio para os associados e dependentes a fim de proporcionar benefícios a toda categoria comerciária. Desta vez, o Oftalmologista Dr Roberto Vieira é quem fecha uma parceria com o SINDECC.

O Dr Roberto Vieira atende na Rua Rodrigues de Abreu, 22, no bairro Maurício de Nassau (próximo ao Hospital do Coração), nos seguintes dias e horários:

De segunda-feira à sexta-feira - das 08:00 às 11:30

Especialidades:

Oftalmologia
Refração
Avaliação
Tonometria Ocular
Campimetria Computadorizada
Mapeamento de Retina
Teste Ortóptico
Exercícios Ortópticos
Urgências Oculares

Valor da Consulta é de R$ 60,00 para associados e dependentes.

Aqueles que ainda não são associados ao SINDECC, mas que desejam usufruir dos benefícios oferecidos à categoria, devem procurar a Sede do sindicato, estabelecida na Rua do Norte, nº 38, Centro, Caruaru – PE, com a documentação necessária para a confecção da carteira de sócio, qual seja: Cópias do RG, CPF, CTPS (Carteira de Trabalho), Comprovante de Residência.


terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Projeto “Liberdade do Corpo e da Mente”


Como parte das novas propostas que o SINDECC está preparando para a categoria em 2017, a partir de janeiro, estaremos iniciando o Projeto “Liberdade do Corpo e da Mente” com o Professor Marcos Mercury. O desenvolvimento deste projeto tem sido uma tarefa de grande satisfação por parte da diretoria e funcionários do sindicato, pois acreditamos que a dança corporal liberta, traz ânimo e disposição para que a categoria continue firme na luta.

O comerciário associado e seus dependentes pagarão apenas R$ 20,00 mensais e terão que comparecer na sede do SINDECC para fazer sua inscrição munido de sua Carteira de Sócio. Para o público em geral o valor da mensalidade será de R$ 30,00. As aulas acontecerão nas terças e quintas, nos horários das 18h40m às 20h.    


Aula de Dança: Zumba e Ritmos
Professor Marcos Mercury
Data início: 17 de janeiro de 2017
Hora: 18h40m às 20h
Local: SINDECC
Endereço: Rua do Norte, 38, Centro, Caruaru / PE
Informações pelos telefones: 81.3721.2894 / 9.9937.6674

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi marcada para o dia 18 de janeiro



No dia 30 de novembro de 2016, os comerciários, em Assembleia Geral Extraordinária, aprovaram a Pauta de Reivindicações com 68 cláusulas. No dia 09 de dezembro de 2016, esta mesma Pauta foi enviada e protocolada junto ao Ministério do Trabalho e às entidades patronais.

Já no dia 27 de dezembro de 2016, na sede do Ministério do Trabalho, aconteceu uma reunião informal entre o SINDECC, SINDLOJA e o Gerente do Trabalho e Emprego, Francisco Reginaldo, onde ambas as entidades apresentaram seus novos dirigentes que farão parte do processo de negociação salarial para o ano de 2017. Na oportunidade, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 18, às 16h, no Ministério do Trabalho, quando o SINDECC receberá a contraproposta do Sindicato Patronal e repassará para toda a classe comerciária em uma nova assembleia.

Sendo assim, gostaríamos de reiterar a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato. Juntos sairemos mais fortes e unidos.

A Direção do SINDECC

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

De livre espontânea vontade e sensibilidade.

O professor e amigo Ailton Fortunato acaba de doar alguns livros e revistas para o Espaço Cultura Moderna do SINDECC. O espaço foi criado para a inclusão do saber e coletividade do ser. Quem quiser contribuir com doações de livros para o Espaço Cultura Moderna, pode entrar em contato pelos fones: 81.3721.2894 ou 9.9937.6674. O sindicato fica na Rua do Norte, 38, Centro de Caruaru / PE.





Salário mínimo vai a R$ 937, quatro vezes menos que o exigido pela Constituição

Salário minimo chegará a R$ 937. Para atender tudo que a lei exige que um salário mínimo cobrisse o valor deveria estar próximo aos quatro mil reais.

















O salário mínimo vai aumentar dos atuais R$ 880,00 para R$ 937,00 a partir de 1º de janeiro. O governo autorizou uma elevação de 6,74%, estimativa do Ministério da Fazenda para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE.
Esse aumento segundo um dos menores índices de inflação existentes é o previsto na lei promulgada por Lula que instituiu o aumento do mínimo somado à variação do PIB de dois anos antes. Como 2015 foi registrada recessão o índice fica em zero, o mesmo acontecerá em 2018 pois 2016 também registrou recessão, isso se a regra for mantida.
Em 2015, o País registrou uma queda de 3,77% na atividade econômica, de acordo com o IBGE.
O novo valor do salário mínimo ainda o torna muito distante do valor necessário para cobrir o que está previsto na constituição. O salário mínimo deveria cobrir as necessidades de uma família de 4 pessoas no que tange a moradia, saúde, educação, vestimenta e lazer. O DIEESE calcula que o valor necessário para essas necessidade seria de R$ 3940,41 no mês de novembro, quatro vezes mais do que o valor que entrará em vigor ano que vem.
A discrepância entre o salário recebido (com a amplíssima maioria recebendo o mínimo) e o salário mínimo necessário aumenta crescentemente em meio a aumento do desemprego e até mesmo atraso e parcelamento de salários, como acontece em estados em crise, como é o caso do Rio Grande do Sul Rio de Janeiro.
Com informações do DIEESE e da Agência Estado
Fonte: http://www.esquerdadiario.com.br/Salario-minimo-vai-a-R-937-quatro-vezes-menos-que-o-exigido-pela-Constituicao

Fiscalização para o 1º de janeiro (Confraternização Universal).

De acordo com o disposto no art. 1º da Lei nº 662, de 06/04/1949, o dia 1º de janeiro é considerado Feriado Nacional. Sendo assim, não poderá haver a prática de jornada de trabalho. Os Centros de Compras têm a garantia de funcionar apenas com o comércio ligado ao lazer e a praça da alimentação. As demais atividades não poderão determinar a prática de jornada de trabalho no 1º de janeiro. Vale lembrar que isto serve para todo o restante do comércio da cidade, área central ou bairros. O SINDECC já requereu fiscalização junto ao Ministério do Trabalho (ver ofício abaixo).



A Direção do SINDECC



Novo salário mínimo de R$ 937 entra em vigor no dia 1º de janeiro

O governo federal anunciou o reajuste do salário mínimo de R$ 880 para R$ 937 em 2017. O novo valor passa a vigorar no dia 1º de janeiro de 2017. O presidente Michel Temer assinou um decreto nesta quinta-feira (29) prevendo o reajuste. A medida deve ser publicada no Diário Oficial da União de amanhã (30) ou da próxima segunda-feira (2).
Dinheiro
O valor de R$ 937 é menor que o estabelecido no Orçamento Geral da União aprovado pelo CongressoMarcello Casal/Agencia Brasil
Em nota divulgada no início da noite de hoje (29), o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão informa que  o reajuste significa um aumento de R$ 38,6 bilhões da massa salarial em 2017. Esse valor representa 0,62% do Produto Interno Bruto (PIB) e, segundo o governo, terá “efeitos positivos na retomada do consumo e do crescimento econômico ao longo do ano”.
No dia 15 de dezembro, o Congresso Nacional aprovou o Orçamento Geral da União para 2017 estabelecendo o novo salário mínimo no valor R$ 945,80. No anúncio oficial do valor, mais baixo, o governo explicou o motivo da alteração. A justificativa está no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), utilizado para calcular o reajuste do mínimo e que foi menor do que o previsto inicialmente.
“A estimativa para o INPC em 2016 é de 6,74% calculada pelo Ministério da Fazenda, menor do que a previsão de 7,5% realizada em outubro quando do envio da Lei Orçamentária Anual de 2017 [...]. No acumulado do ano, até novembro, o INPC está em 6,43%. Em virtude da inflação menor em 2016, o reajuste será menor do que o previsto na LOA [Lei Orçamentária Anual]. Trata-se, portanto, de aplicação estrita da legislação”.

Por Marcelo Brandão e Paulo Victor Chagas - Repórteres da Agência Brasil
Edição:
 Juliana Andrade

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O SINDECC ESTARÁ FECHADO NO DIA 02 DE JANEIRO DE 2017.





















Informamos que no dia 02 de janeiro de 2017 (segunda-feira), o sindicato não irá funcionar. Pois, recentemente, passamos por mudança de prédio onde tivemos o envolvimento de toda a equipe e achamos justo, não abrir neste dia e dar um merecido descanso aos que compõe o quadro de Funcionários e Diretores do SINDECC.

A Direção do SINDECC


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Saque o abono do PIS até quinta-feira e receba R$ 880.


Se você ainda não recebeu o abono do PIS/Pasep, referente a 2014, é possível sacar seu dinheiro até a próxima quinta-feira, 29, nas agências do Banco do Brasil (no caso de servidores públicos) ou da Caixa Econômica Federal (funcionários de empresas privadas). O abono salarial é equivalente a um salário mínimo (R$ 880).
Já para quem possui o Cartão Cidadão, com senha, é possível realizar o saque nos caixas eletrônicos da Caixa ou até mesmo em lotéricas até a sexta-feira, 30 (Na data, as agências bancárias estarão fechadas).
Segundo o Ministério do Trabalho, até o dia 19 de dezembro, mais de 900 mil pessoas não havia solicitado o benefício.
Em caso da não retirada do dinheiro, os recursos voltam para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o trabalhador perde o direito ao abono.
Quem tem direito? 
Para saber se você tem direito ao abono salarial, acesse o site criada pelo ministério do trabalho, clicando aqui.. É necessário informar o número do CPF ou do PIS/Pasep e a data de nascimento.
Fonte: https://catracalivre.com.br/geral/emprego-trabalho/indicacao/saque-o-abono-do-pis-ate-quinta-feira-e-receba-r-880/

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O "belíssimo presente de natal" de Temer inclui trabalhar 220 horas mensais.



Na manhã de ontem (22), Temer reuniu-se com jornalistas para apresentar medidas que incluem a Reforma Trabalhista por meio de um projeto de Lei. A Globo, e outros veículos de comunicação, tentam disfarçar o ataque chamando de “mini”, mas para os trabalhadores representará o fim da CLT.


Conforme denunciamos aqui, Temer anunciou em solenidade na manhã desta quinta (22) o que ele chama de “belíssimo presente de natal” aos trabalhadores, mas que realmente significa fim dos direitos conquistados por meio de muita luta.
O que a Globo, Estadão e Folha chamam de “minirreforma” significará um aumento de uma semana da jornada de trabalho mensal, uma vez que a reforma acordada com as centrais sindicais prevê que a jornada possa ser estendida em até 12 horas diárias, não podendo ultrapassar as 220 mensais (!!!). Jornadas que remontam os primeiros anos da Revolução Industrial. Hoje a jornada é de 8 diárias e 44hs semanais, e a reivindicação dos trabalhadores é que se reduza a jornada sem redução dos salários.
Ao contrário dos anseios dos trabalhadores, e dos que lutam por melhores condições de trabalho, o governo anuncia um enorme presente aos patrões. Semana passada retirou a obrigatoriedade da multa por demissão, aprovou o texto da Reforma da Previdência, a PEC 55, e hoje envia o projeto de lei da reforma trabalhista, a que tanto anseia a grande mídia e empresários.
A reforma ainda prevê o parcelamento das férias, trinta minutos de horário de almoço, fim dos acordos coletivos, em suma fim da CLT. Tudo será decidido em acordos firmados entre patrões e funcionários pela via dos sindicatos.
Outra medida, mas esta já assinada durante a solenidade, é o Programa de Seguro Emprego, antigo Plano de Proteção ao Emprego de Dilma que permite redução da jornada em até 30%, com redução de salário, sendo metade paga pelos empresários e a outra pelo governo.Tal medida que já vinha sendo implementada nas grandes montadoras, como saída para a crise econômica defendida pela CUT, não assegurou os empregos em empresas como a Mercedes que logo após o final do PPE demitiu em massa.
A Reforma é um imenso ataque e como resposta as centrais é defender as medidas do governo como resposta à crise. Não podemos ter confiança que deste congresso corrupto, da mídia, do judiciário, e mesmo do PT, surja uma saída que favoreça os trabalhadores, a exemplo do “belíssimo presente de natal” de Temer. Precisamos exigir que essas centrais rompam imediatamente sua paralisia e trégua ao governo e organizem nas bases uma greve geral contra a série de ataques, para assim, a partir da mobilização construir uma nova Constituinte, livre e soberana, questionando os privilegiados, colocando as demandas dos trabalhadores a frente, e servindo de experiência na construção de um governo dos trabalhadores em ruptura com o capitalismo.
Abaixo a lista de mudanças que propõe a Reforma Trabalhista de Temer.
FÉRIAS
O governo propõe o parcelamento das férias em até três vezes, com pagamento proporcional aos respectivos períodos, sendo que uma das frações deve corresponder a ao menos duas semanas de trabalho;

JORNADA DE TRABALHO
A jornada de trabalho poderá ser diferente de 8 horas diárias e 44 horas semanais. O limite diário, no entanto, é de 12 horas diárias e de 220 horas mensais;

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS
O acordo coletivo pode definir as regras para a participação nos lucros e resultados, incluindo parcelamento no limite dos prazos do balanço patrimonial e/ou dos balancetes legalmente exigidos, não inferiores a duas parcelas;

JORNADA EM DESLOCAMENTO
Trabalhadores que vão e voltam ao emprego em transporte oferecido pela empresa têm esse tempo de deslocamento contabilizado como jornada de trabalho. Pela proposta, um acordo coletivo pode mudar isso;

INTERVALO ENTRE JORNADAS
Hoje, o tempo de almoço, por exemplo, é de uma hora. Pela proposta do governo, esse tempo poderia ser diferente. O intervalo entre jornadas tem que ter um limite mínimo de 30 minutos;

FIM DE ACORDO COLETIVO
A Justiça decidiu que quando um acordo coletivo está vencido, o último acaba valendo. O Supremo Tribunal Federal, porém, reviu essa decisão. A proposta do governo prevê que as partes podem concordar com a extensão de um acordo coletivo após sua expiração

PROGRAMA DE SEGURO-EMPREGO
Trabalhadores e empregadores, de acordo com o projeto de lei, deverão decidir juntos sobre a entrada no Programa de Seguro-Emprego (PSE);

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS
Plano de cargos e salários também ficará a cargo das negociações entre trabalhadores e empregadores;

BANCO DE HORAS
As negociações em relação a banco de horas ficarão nas mãos das partes, de acordo com o projeto de lei. No entanto, fica garantido o acréscimo de 50% no valor pago pela hora extra;

REMUNERAÇÃO POR PRODUTIVIDADE
A remuneração por produtividade será decidida também em acordo coletivo;

TRABALHO REMOTO
Cada vez mais comum, as regras sobre o trabalho por telefone, internet e smartphone, por exemplo, ficarão nas mãos de trabalhadores e empregadores, de acordo com o projeto de lei.

REGISTRO DE PONTO
A forma de registro e acompanhamento de ponto pode ser definida em acordo coletivo. Isso flexibiliza, por exemplo, a exigência de ponto eletrônico.

Fonte: http://www.esquerdadiario.com.br/O-belissimo-presente-de-natal-de-Temer-inclui-trabalhar-220-horas-mensais

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Explicações sobre a cobrança da Taxa Confederativa 2016.

Companheiros(as), é muito importante que você contribua e fortaleça quem de fato luta por seus direitos.


SINDECC REQUER FISCALIZAÇÃO PARA O NATAL.

A Convenção Coletiva 2015/2016, firmada entre o SINDECC e os sindicatos patronais, não garante a determinação de prática de jornada de trabalho nos feriados de Natal e Ano Novo. O SINDECC INFORMA que já requereu fiscalização junto à GRTE - Caruaru (conforme ofício abaixo)uma vez que não poderão funcionar os Centros de Compras nem as empresas estabelecidas no comércio central e nos bairros.





O SINDECC ESTARÁ FECHADO NOS DIAS 26 DE DEZEMBRO E 02 DE JANEIRO






















Informamos que nos dias 26 de dezembro e 02 de janeiro (ambos numa segunda-feira), o sindicato não irá funcionar. Pois, recentemente, passamos por mudança de prédio onde tivemos o envolvimento de toda a equipe e achamos justo, não abrir nestes dias e dar um merecido descanso aos que compõe o quadro de Funcionários e Diretores do SINDECC.

A Direção do SINDECC

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O SINDECC abre as portas para a poesia!





























Nos dias 20 e 21 deste mês, sempre ao meio dia, como parte da Campanha de Sindicalização 2017, o Sindicato dos Comerciários de Caruaru inicia o Projeto LUTA POÉTICA. Os comerciários associados que almoçam na sede do sindicato e os não associados que quiserem prestigiar o projeto, terão a oportunidade de ficar mais próximos da literatura de rua e dos poemas vindo das periferias e das feiras dos bairros. Dois conhecidos poetas nascidos em periferias de Caruaru vão iniciar o sarau nas acomodações do sindicato. Fael Bezerra, nascido no Salgado, nos brindará com sua poesia forte, embasada nas lutas dos quilombos. Do bairro São Francisco, teremos a presença de Iram F. R. Bradock, conhecido por sua poesia crua e surreal. Estendemos o convite para toda a população de forma geral. 


Local: Sindicato dos Comerciários de Caruaru - SINDECC, Rua Mestre Pedro, nº 38, Centro (por trás do Hotel Central). Informações: 81.3721.2894

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O SINDECC ESTÁ DE VOLTA!

O SINDECC já está atendendo sua categoria na sede própria na Rua do Norte, 38, Centro. O comerciário associado poderá usufruir de serviços como: assessoria jurídica e contábil, além dos espaços para almoço e descanso. Voltamos também com mais uma novidade!! O comerciário associado agora poderá usufruir de um novo espaço: o “Espaço Cultura Moderna”, que conta com livros e jogos educativos.

Aos que ainda não são associados e não frequentam a sede, sintam-se convidados a visitar o espaço destinado a todos os trabalhadores e trabalhadoras no comércio de Caruaru.
SEJA FORTE, SEJA SÓCIO. POR UM SINDICATO UNIFICADO!


















SINDECC REQUER FISCALIZAÇÃO PARA DOMINGO, DIA 18 DE DEZEMBRO.

Cumprindo o que determina a Convenção Coletiva, atendendo requerimento do SINDECC, domingo, 18 de dezembro, o Ministério do Trabalho estará fiscalizando o comércio em geral.

Ver ofício:





RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA 2016

De acordo com as normas estatutárias que regem essa entidade, são prerrogativas do sindicato, segundo Alínea “h” do ARTIGO 2º, do Estatuto do SINDECC, “Instituir e arrecadar contribuições, fixando seu valor ou percentual, a todos que participarem da categoria profissional, desde que deliberada pela Assembleia Geral, expressamente convocada para tal finalidade”; e, de acordo com a Alínea “e”, do Artigo 513, da Consolidação das Leis do Trabalho, “São prerrogativas do Sindicato: Impor contribuições a todos àqueles que participam das categorias econômicas ou profissionais [...]”.

       Sendo assim, o SINDECC informa que neste mês de dezembro do corrente ano, o valor a ser descontado a título de Contribuição Confederativa 2016 é o mesmo do ano passado, R$ 18,00 (dezoito reais), cujo valor e desconto foram aprovados pela categoria comerciária em assembleia geral extraordinária realizada no último dia 30 de novembro e divulgado por meio de Edital publicado no Jornal Extra de Pernambuco – Semanário 10 a 16 de dezembro de 2016. O desconto será para todos os comerciários (as) sindicalizados. Já para aqueles não sindicalizados, estes poderão fazer a contribuição espontaneamente conforme texto abaixo:

   
   “As empresas abrangidas pelas atividades do comércio varejista e atacadista se obrigam a descontarem somente dos empregados associados ao SINDECC pertencentes à categoria profissional e, dos empregados não associados, que queiram contribuir de forma espontânea, formal e por escrito, atendendo ao exigido nos Termos de Ajustamento de Condutas – TAC firmados entre SINDECC, SINDLOJA, SINCATA e SINCOPEÇAS, única e exclusivamente na folha do mês DEZEMBRO de 2016, o valor de R$ 18,00 (dezoito reais), a título de Contribuição Confederativa 2016, independentemente da faixa salarial de cada empregado, em formulário próprio fornecido pela entidade profissional e recolhido através de depósito bancário na Conta Corrente nº 1252-4, Operação 003, Agência 0051, Caixa Econômica Federal, até o dia 09 de janeiro de 2017. Os empregados não associados que queiram, espontaneamente, contribuir para o seu sindicato, deverão formalizar por escrito a pretensão do desconto, em formulário próprio disponibilizado por esta entidade, sendo tal preenchimento a ser realizado unicamente pelo empregado. ”

Segue modelo de formulário:




terça-feira, 13 de dezembro de 2016

DEPOIS DE LONGOS ANOS À FRENTE DO SINDECC, MILTON MANOEL NÃO FAZ MAIS PARTE DO QUADRO DIRETIVO DO SINDICATO.

No último dia 05 de dezembro, o ex-presidente do SINDECC, Milton Manoel, entregou sua carta de renúncia à diretoria da entidade. Como já havia anunciado por vários momentos a necessidade de uma nova gestão à frente do sindicato, bem como sua vontade de tocar novos projetos, Milton Manoel decidiu sair da direção do SINDECC, entendendo que esta nova diretoria vai dar continuidade a toda história de luta construída por este sindicato.

A Diretoria do SINDECC deseja, em nome da categoria comerciária, todo sucesso a Milton Manoel e, ao mesmo tempo, agradece todo histórico de luta em prol dos comerciários. 


A Direção do Sindicato dos Empregados no Comércio de Caruaru - SINDECC

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

"Previdência pode ser resumida numa sentença de morte: você não vai se aposentar!"
























Michel Temer, que se aposentou aos 55 anos ganhando R$ 30 mil, propõe reforma da Previdência que ainda será votada no Congresso / Beto Barata/PR.


A reforma da Previdência anunciada pelo governo não eleito pode ser resumida numa sentença de morte: você não vai se aposentar. É só fazer as contas. O tempo de contribuição necessário para ter direito a aposentadoria integral (que de integral não tem nada) passou a ser de 49 anos. Some a essas quase cinco décadas a idade que você começou a trabalhar, os eventuais períodos em que ficou sem contribuir e compare com a expectativa de vida média do brasileiro. A indesejada das gentes vai chegar primeiro.
Não fosse apenas essa crueldade estatística, o arremedo de reforma encaminhado ao Congresso, sem qualquer discussão prévia com os trabalhadores, ainda penaliza beneficiários mais necessitados da Previdência, aqueles que recebem outras formas de auxílio, que perderão em valor e deixarão de ser corrigidos pelo salário mínimo. Para completar, o pacote ainda aumenta o tempo mínimo de contribuição, punindo quem precisou se virar nos 30 para se manter no mercado informal.
É claro que a defesa da reforma, na boca de técnicos que lidam com números e condições ideais, busca sempre comparação com outros contextos em tudo distantes da realidade do brasileiro médio. O trabalhador rural, o empregado da construção civil, o operário do chão de fábrica e outros servidores que labutam em condições extremas de exploração no Brasil, são postos lado a lado com estatísticas de países ricos da Europa, que possuem outra realidade em matéria de direitos trabalhistas e expectativa de vida bem acima da registrada por aqui.
Há uma dissonância que só se explica pela má fé ou pelo desprezo vira-lata com o brasileiro. De um lado, condições de espoliação do trabalho; de outro, recurso a padrões de excelência na hora de propor benefícios. A reforma da Previdência é a consagração desse método desumano.
Além disso, as medidas chegam em tempo de grande mobilização pela precarização dos direitos trabalhistas. O que tem sido defendido no setor empresarial é exatamente o enfraquecimento do emprego. O alto nível de desemprego hoje registrado não se explica apenas pela crise, mas por uma mudança de padrões de empregabilidade que retira cada vez mais cedo as pessoas da formalidade para baratear seu custo e tornar frágil sua representação. Para cortar custos, pessoas em pleno auge da força produtiva estão sendo demitidas para diminuir a massa salarial, gerando um novo exército de desempregados que se defrontam com um mercado impenetrável. As formas de ingresso cada vez mais se assemelham a chantagens.
Vai ter luta
No entanto, há algo que parece não ter entrado na conta dos golpistas. A reação popular. Essa ameaça ao futuro do trabalhador não vai seguir o roteiro traçado pelos conspiradores. Se o presidente não eleito tem seus compromissos com a austeridade e seus descaminhos, que estão quebrando o país, não pode esperar que o trabalhador receba o chamado ao debate com espírito de colaboração. A resposta tem que ter o mesmo grau de violência da proposta.
Temer é pequeno, seu projeto é entreguista, seus métodos autoritários. A pequenez, mesmo ancorada pela colaboração de outros anões morais, não pode atentar contra uma história de conquistas do trabalhador brasileiro. O desmonte da Constituição de 88, o ataque à República, a afronta à democracia e o patrocínio da instabilidade institucional que hoje humilha o país terão seu “não passarão” inequívoco na ação dos trabalhadores no enfrentamento da reforma da Previdência.
Quando nos ameaçam de morte, sem metáforas, não é possível responder com serenidade. Toda ação, por mais radical que se apresente, deve ser entendida como legítima defesa. Os brasileiros de bem estão convocados a defender o direito à vida. Entre morrer de trabalhar e morrer lutando a distância é simbólica. Sua medida é a dignidade humana.
Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2016/12/12/morrer-de-trabalhar/

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Um por cento dos adultos possui 51% da riqueza mundial; 10% possuem 89% e os 50% de baixo possuem apenas 1%

por Michael Roberts

Um por cento dos adultos do mundo possui 51% de toda a riqueza mundial, ao passo que a metade dos adultos da base possui apenas 1%. Na verdade, os 10% dos adultos do topo possuem 89% de toda a riqueza mundial! Este é o novo número obtido para 2016 pelo relatório anual sobre a riqueza global do Credit Suisse . A cada ano o Credit Suisse apresenta este relatório, assinado pelo Professor Tony Shorrocks, James Davies e Rodrigo Lluberas, os quais costumavam fazê-lo para a ONU. Informo sobre os resultados todos os anos e habitualmente este é um dos artigos mais populares que escrevo.

Da última vez que discuti os resultados do Credit Suisse, os 1% do topo tinham 48% da riqueza mundial . Assim, no último ano e meio, a desigualdade mundial aumentou outra vez. As fatias dos 1% e 10% do topo quanto à riqueza mundial caíram entre 2000 e 2007. Exemplo: a fatia do percentil do topo declinou de 50% para 46%. Contudo, esta tendência foi revertida após a crise financeira e as fatias do topo retornaram aos níveis observados no princípio do século.

Os investigadores do Credit Suisse consideram que estas mudanças reflectem principalmente a importância relativa dos activos financeiros na carteira familiar, os quais subiram de valor desde 2008 e elevaram a riqueza de muitos dos países mais ricos, e das pessoas mais ricas, por todo o mundo. Embora a fatia dos activos financeiros caísse este ano, as fatias dos grupos de riqueza do topo continuaram a subir. No outro extremo da pirâmide global da riqueza, a metade debaixo dos adultos possuía colectivamente menos de 1% da riqueza total.

'.

A razão principal para esta enorme desigualdade é que há muita gente pobre (em riqueza) no mundo. Percebe-se: não é preciso muito para ficar entre os 1% de topo dos possuidores de riqueza. Uma vez subtraídas as dívidas, uma pessoa precisa apenas de US$3.650 para ficar na metade mais rica dos cidadãos do mundo. Contudo, são precisos cerca de US$77.000 para ser membro dos 10% do topo da riqueza global e US$798.000 para pertencer aos 1% do topo. Assim, se possui uma casa em qualquer grande cidade no Norte rico e sem hipoteca, já faz parte dos 1% do topo. Sente-se rico assim? Isto apenas mostra quão pobre é a vasta maioria das pessoas do mundo: sem propriedade, sem dinheiro e certamente sem acções e títulos!

A investigação mostra que 3,5 mil milhões de indivíduos – 73% de todos os adultos do mundo – têm uma riqueza inferior a US$10.000 em 2016. Além disso, 900 milhões de adultos (19% da população global) está no intervalo dos US$10.000 – US$100.000. Os pobres em riqueza estão concentrados na Índia, na África e nos países asiáticos mais pobres, com 73% destes na base dos possuidores de riqueza. Mas também há número significativo de pessoas que são ricas pobres pelos padrões globais na América do Norte e na Europa, com 9% de norte-americanos, a maior parte com valor líquido negativo, no quintil de base global e 34% de europeus na metade de base global. Estas pessoas não só não têm riqueza como estão em dívida.

E quem se safa melhor? Bem, não são os indianos. A Índia tem apenas 3,1% das pessoas da "classe média" global (riqueza de US$10k-US$100k) e esta fatia pouco mudou. Em contraste, a China representa um enorme 33% das pessoas de riqueza média, dez vezes o da Índia – e esta proporção duplicou desde 2000. Isto mostra que a expansão económica sem precedentes da China retirou centenas de milhões à pobreza, ainda que a desigualdade de riqueza tenha ascendido.

Na verdade, o número de milionários, o qual caíra em 2008, manifestou uma rápida recuperação após a crise financeira e é agora mais do que o dobro do seu número de 2000. Há agora 32,9 milhões de milionários globalmente, isto é, adultos com mais de US$1 milhão em propriedade ou poupanças líquidas de dívida. Na verdade, há apenas 140.000 pessoas no mundo todo que têm mais do que US$50 milhões em riqueza. E há agora mais de 2000 bilionários – estas são as pessoas que realmente possuem o mundo.

'.

Assumindo que não haja mudança na desigualdade de riqueza global, espera-se que surjam outros 945 bilionários nos próximos cinco anos, elevando o número total dos que possuem mais de mil milhões para aproximadamente 3.000. Mais de 300 dos novos bilionários serão da América do Norte. Prevê-se que a China acrescente mais bilionários do que toda a Europa em conjunto, elevando o total da China acima dos 420.

O Credit Suisse estima que a riqueza total global seja agora de US$334 milhões de milhões (trillion), ou cerca de quatro vezes o PIB anual do mundo. Após a viragem do século, houve a princípio uma ascensão rápida na riqueza global, com o crescimento mais rápido na China, Índia e outras economias emergentes, a qual representou 25% do aumento em riqueza, embora eles possuíssem apenas 12% da riqueza mundial no ano 2000. A riqueza mundial declinou em 2008, tem tendido vagarosamente a subir desde então, a uma taxa significativamente mais baixa do que antes da crise financeira. De facto, desde 2010 a riqueza caiu em termos de dólar em todas as regiões além da América do Norte, Ásia-Pacífico e China. Numa base por adulto, a riqueza quase não cresceu de todo e a riqueza mediana caiu a cada ano desde 2010. O adulto médio está a ficar mais pobre.

Nos últimos 12 meses, a riqueza mundial subiu 1,4% e mal acompanhou o ritmo do crescimento populacional. Em consequência, em 201, a riqueza média por adulto ficou inalterada pela primeira vez desde 2008, em aproximadamente 52.800 dólares. Assim, a população mundial como um todo não ficou mais rica no último ano e meio, ao passo que a desigualdade cresceu.

Mais sobre desigualdade de riqueza e rendimento e o seu significado no meu Essays on Inequality. . 


24/Novembro/2016


O original encontra-se em thenextrecession.wordpress.com/... 


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

McDonald’s não permite nem uma hora de descanso para os trabalhadores



O Ministério Público do Trabalho (MPT) ainda pretende negociar uma multa de no máximo R$ 103 milhões ao McDonald’s no Brasil por descumprir um acordo judicial mínimo, que garantiria uma hora de descanso durante a jornada de trabalho.
Após análise de cerca de 200 mil documentos relativos aos horários de trabalho de 42 mil funcionários durante cinco meses de 2015, os procuradores observaram alguns problemas. O principal deles foi o descumprimento da exigência de concessão de intervalo de uma hora de descanso durante a jornada de trabalho.
A garantia desse intervalo, que parece condição mínima para qualquer trabalhador, teve que ser resultado de um acordo judicial em 2012, e foi parte de um conjunto de medidas acertado pela operadora da rede norte-americana no Brasil, a Arcos Dourados. Na ocasião, a empresa prometia melhorar as condições dos empregados com medidas mínimas como o fim da jornada variável, permitir a ausência do local de trabalho no intervalo para refeição e pagamento de adicional noturno previsto em lei.
A procuradoria do trabalho, com declaração de Leonardo Osório Mendonça, ao invés de denunciar o absurdo da superexploração do trabalho na empresa, tenta proteger a empresa dizendo que as condições de trabalho na rede melhoraram. "Avalio que existe intenção da empresa em melhorar". O MPT ainda pretende negociar o valor da multa, ao invés de punir rigorosamente um abuso como este. "A intenção do Ministério Público do Trabalho não é executar esse valor. Vamos apresentar os trabalhos aos interessados e ver o que se pode fazer. O valor é prévio e pode ser negociado", disse Mendonça.
O McDonald’s tem sido alvo da fiscalização nos últimos anos após a constatação do Ministério Público de que usava um modelo da "jornada móvel variável" para reduzir custos e burlar direitos trabalhistas. "Foi constatado que os funcionários assinavam contrato de trabalho, mas não sabiam qual era o horário de entrada e saída nem o tempo diário de permanência na empresa", cita o MPT. Empregados também eram proibidos de se ausentar da loja durante os intervalos, só podiam comer lanches do próprio McDonald’s no horário de refeição e alguns chegavam a trabalhar por até sete horas sem descanso.
Procurado, o McDonald’s cita que a audiência marcada para o dia 13 é "parte do processo regular do acordo assinado". "Essas interações acontecem desde o início em um contexto de colaboração entre a empresa e o MPT. Neste sentido, visando compreender as supostas irregularidades mencionadas, a Arcos Dourados participará da audiência agendada para o dia 13 de dezembro com uma atitude construtiva, como sempre o fez", cita a empresa em nota, que diante da complacência nítida do Ministério Público do Trabalho, um cenário de ataques do governo aos direitos trabalhistas, segue se sentindo confortável para super explorar cada vez mais os trabalhadores para aumentar seus lucros bilionários.
Fonte: http://www.esquerdadiario.com.br/McDonald-s-nao-permite-nem-uma-hora-de-descanso-para-os-trabalhadores