sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Resultado da Reunião entre SINDECC e o sindicato patronal



Integrantes do Sindicato dos Comerciários de Caruaru falam da 2ª Rodada de Negociação Coletiva.

2ª Rodada de Negociação Coletiva no Ministério do Trabalho





























Prezados trabalhadores do comércio de Caruaru,

O SINDECC, por meio de sua Assessoria Jurídica, gostaria de repassar algumas informações a respeito da reunião que foi realizada na noite de ontem (16/02/2017) referente às negociações da nova Convenção Coletiva de Trabalho:
Como já é de costume, as cláusulas de natureza econômica, que são aquelas que se referem, por exemplo, ao reajuste salarial e às ajudas de custo para os empregados que trabalham nos domingos e feriados; bem como as cláusulas relativas à jornada de trabalho, como por exemplo, banco de horas e trabalho prestado nos domingos e feriados, por serem cláusulas mais polêmicas e de difícil negociação, foram deixadas pendentes para serem melhor analisadas e negociadas na próxima reunião que será realizada no dia 16/03/2017, às 18h:30min, ficando apenas decidido que as cláusulas econômicas terão vigência de 12 (doze) meses, ou seja: com início em 01 de janeiro de 2017 e término em 31 de dezembro de 2017.
Assim, na reunião de ontem foram discutidas e negociadas apenas as cláusulas sociais, que são aquelas que não têm caráter econômico.
 Com relação às cláusulas sociais negociadas ficou decidido que: terão vigência de 24 (vinte e quatro) meses, com início em 01 de janeiro de 2017 e término em 31 de dezembro de 2018. Também ficou decidido que algumas cláusulas da Convenção Coletiva anterior seriam mantidas, outras cláusulas teriam a sua redação alterada em benefício da categoria e, outras cláusulas, por serem mais complexas, ficaram pendentes para serem analisadas melhor na próxima reunião.
Por fim, o SINDECC gostaria de enfatizar a respeito da importância da presença da classe trabalhadora apoiando a diretoria no processo de negociação coletiva, uma vez que o que será decidido nessas reuniões de negociação afetará diretamente na vida de cada um dos empregados no comércio de Caruaru, tendo em vista que a Nova Convenção Coletiva, por ser um instrumento normativo, cria regras jurídicas a serem seguidas e aplicadas nos contratos de trabalho de toda a categoria comerciária.




Simône Cordeiro de Sá
Assessora Jurídica do SINDECC
OAB/PE nº 23.707



domingo, 12 de fevereiro de 2017

Ministro da Saúde compra terreno com valor 15 vezes maior que o seu patrimônio

Com patrimônio declarado de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), adquiriu, em 2014, metade de um terreno de R$ 56 milhões em Marialva (PR). Em 2015, na condição de deputado, ele apoiou a liberação de R$ 450 milhões da União para a construção de uma rodovia de 32 km que passa a 3 km do terreno.



Com patrimônio declarado de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), adquiriu, em 2014, metade de um terreno de R$ 56 milhões em Marialva (PR). Em 2015, na condição de deputado, ele apoiou a liberação de R$ 450 milhões da União para a construção de uma rodovia de 32 km que passa a 3 km do terreno. A emenda havia sido apresentada pela bancada de parlamentares do Paraná, que incluía a mulher do ministro, a então deputada federal Cida Borghetti (PP), hoje vice-governadora do Estado e sócia dele na compra da propriedade. Para comprar sua parte, Barros usou duas empresas, a MRC e a RC7, com um capital social de R$ 10 mil cada. Elas foram criadas em outubro de 2013 e maio de 2014 em nome dele e da mulher. “O montante emprestado é atípico. Você cria uma empresa de R$ 10 mil para montar uma lojinha, um carrinho de cachorro quente, não para comprar um imóvel de mais de R$ 50 milhões. Não é comum no mercado”, disse o presidente do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, Idésio Coelho.
Indagado sobre como conseguiu comprar metade de uma propriedade de R$ 56 milhões, Barros respondeu, por meio da assessoria, que usou o empréstimo de R$ 13 milhões da empresa Paysage, sócia dele na aquisição


“A emenda de R$ 450 milhões chegou a ser incluída na previsão de gastos do Executivo de 2015, mas depois foi congelada em razão do ajuste fiscal.
A MRC, sediada no escritório político do ministro em Maringá, foi montada 20 dias antes da divulgação do estudo de impacto ambiental da rodovia pela prefeitura.
O prefeito de Maringá na época do negócio era um aliado de Barros, Roberto Pupin (PP). Ele havia sido vice-prefeito do irmão do atual ministro, Silvio Barros, que administrou Maringá de 2005 a 2012.
A nova rodovia, batizada de Contorno Sul Metropolitano, faria uma ligação mais rápida da propriedade com outras localidades.
Um condomínio de alto padrão está previsto para ser construído no local, de 1,3 milhão de metros quadrados.
Em dezembro de 2014, já como deputado eleito, Barros assinou um documento de reconhecimento de dívida.
A partir de 2016, ele e sua mulher passaram a aparecer como “fiadores” e não mais como proprietários, ou seja, responsáveis por dívidas não pagas pelo responsável direto.
À Folha o ministro disse que vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou, segundo ele, à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões. Ou seja, as microempresas recém criadas foram dadas em troca do empréstimo.
Sem conhecer os nomes dos compradores, falando do negócio em tese, dois especialistas em contabilidade disseram à Folha que se tratou de uma “operação incomum”, ressaltando que não podem assegurar, sem verificar os documentos, que se trate de algo ilícito.
Eles destacam o fato de uma incorporadora ter emprestado R$ 13 milhões a duas empresas que, somente pelo capital social, não possuíam capacidade financeira para honrar o compromisso.”

Fonte: http://www.revistaforum.com.br

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Minicurso - Por uma teoria Marxista do Jornalismo - Introdução à obra de Adelmo Genro Filho


Nos dias 03 e 04 de março, o SINDECC realizará o Minicurso de Introdução à obra de Adelmo Genro Filho, este que foi um dos grandes nomes do jornalismo social do Brasil. Teremos a honra e o prazer de ter como ministrante deste minicurso, o Prof. Dr. Romero Venâncio, pessoa incansável na educação de uma sociedade mais politizada.

“Se a teoria na prática é outra, então há algo errado na teoria”, dizia Adelmo Genro Filho. Este Minicurso cai em boa hora, pois, a mídia burguesa sempre manipulou a sociedade, com suas pautas grotescas. O papel da imprensa sindical é justamente de conscientização, mobilização e educação dos trabalhadores, logo, gerando uma reflexão.

O Minicurso será aberto para toda a classe de trabalhadores, assim como para estudantes da área e população de modo geral. A entrada será franca e, para os que participarem, o certificado será garantido.    

Reunião no MTE, dia 16 de fevereiro.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Apenas 36% dos empregados do agronegócio têm carteira assinada

Um terço do trabalhadores (33%) “atua por conta própria”, outros 15% trabalham sem carteira assinada e somente 4% são empregadores / Marcio Pimenta/ Agência Pública


O agro é informal. Uma pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), mostra que, considerando todos os segmentos do agronegócio, apenas 36% dos empregados têm carteira assinada. Um terço do total (33%) “atua por conta própria”. Outros 15% trabalham sem carteira assinada. Somente 4% são empregadores.
A pesquisa relativa ao ano de 2015 foi divulgada nesta quarta-feira (18/01). Nã0 inclui aqueles que produzem para o consumo, os camponeses. O resumo pode ser lido aqui: “Agronegócio emprega 19 milhões de pessoas no Brasil“.
Entre os 19 milhões de trabalhadores do setor, 9 milhões trabalham no segmento primário. Eles possuem uma renda mensal média de R$ 891, no caso da agricultura, e R$ 998, no caso da pecuária.
A pecuária reúne 3,16 milhões desses 9 milhões de trabalhadores. Outros setores de destaque são os grãos (16% ) e o café (12%).
O segmento de serviços emprega 5,67 milhões de trabalhadores agrícolas, segundo o site Universo Agro, em notícia reproduzida no site do Cepea. Outros 4,1 milhões de trabalhadores estão na agroindústria.

Fonte: brasildefato.com.br






















quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

COMERCIÁRIOS DE CARUARU REJEITAM CONTRAPROPOSTA PATRONAL!






























Em Assembleia realizada no último dia 24 de janeiro, na sede do SINDECC, os comerciários rejeitaram a contraproposta patronal para 2017. A proposta do SINDECC aprovada em Assembleia no dia 30 de novembro e protocolada no Ministério do Trabalho no dia 09 de novembro foi de um piso salarial de R$ 1.300,00 e reajuste de 15% (quinze por cento) para os que recebem um piso superior que o da categoria. Diante disto, convocamos a categoria comerciária para participar de mais uma rodada de negociação nas dependências do Ministério do Trabalho (Rua Cônego Júlio Cabral, 157 - Maurício de Nassau), no dia 16 de fevereiro iremos ter às 17:30h

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A UNIÃO DA CATEGORIA COMERCIÁRIA VENCE A BUROCRACIA SINDICAL































Em assembleia histórica realizada na noite de ontem (24), comerciários, movimentos sociais e entidades sindicais lotaram a sede do Sindicato dos Comerciários de Caruaru. O histórico dos últimos meses das questões internas do sindicato foi passado para a categoria, momento em que muitos se indignaram com a atual situação financeira que o sindicato se encontra hoje, herança deixada pela antiga gestão. Dois pontos de pauta da assembleia foram a declaração de perda de mandato de alguns diretores e a destituição dos ex-membros do Conselho Fiscal e do ex-presidente da entidade do quadro associativo do SINDECC, cuja destituição foi aprovada pela diretoria efetiva, amparada no artigo 9º, § 1º e artigo 68, alínea 'g' do Estatuto do SINDECC de 28/09/200, e  foi levada à apreciação da categoria, atendendo o Artigo 102, alínea 'd', do Estatuto do SINDECC, que, por 40 votos a favor e três abstenções, decidiram pela eliminação destes ex-membros do quadro de sócio do sindicato.

Dando continuidade, a contraproposta da patronal foi apresentada à categoria. Os Sindicatos Patronais estão propondo um piso salarial para o comércio no valor de R$ 980,00 (novecentos e oitenta reais) e reajuste de 3% (três por cento) para os que recebem um piso superior que o da categoria. Lógico que a referida contraproposta foi reprovada pela categoria. A próxima rodada de negociação acontecerá no dia 16 de fevereiro, na sede do Ministério do Trabalho em Caruaru, às 17:30h, entre o SINDECC e SINDLOJA. Com o mesmo empenho que os comerciários demonstraram ontem, acreditamos que iremos lotar essa próxima reunião e, com certeza, vamos conseguir um reajuste justo para essa categoria que tanto gera lucro em nossa cidade e região.

Após a discussão da contraproposta, ainda na noite de ontem, foi iniciada uma segunda Assembleia com um único ponto de pauta que foi a deliberação do início de novas eleições para reposição dos Membros do Conselho Fiscal, visto que pediram renúncia em massa. Essa demanda também foi aprovada pela categoria.  

Entendemos que o sindicalismo tem que ser visto como uma escola de formação de consciência de classe e formação política dos trabalhadores. Na assembleia de ontem, tivemos provas claras disso, quando a categoria, em sintonia com essa nova forma de pensar e agir da diretoria, deram um passo enorme para a desburocratização do sindicalismo no Brasil. Sem união não se chega a lugar algum! Por vários anos, a categoria foi refém desta burocracia. Hoje, se tem a possibilidade de horizontalizar as formas de diálogo com a base.

Agradecemos imensamente cada uma das pessoas que estiveram presente ontem à noite na Assembleia. Daqui para frente é fortalecer ainda mais esse laço entre sindicato e base e construir, de fato, um sindicato classista. 

A Direção do SINDECC



terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Trabalhador unido, jamais será vencido!






HOJE NÃO HAVERÁ AULA DE ZUMBA!



Hoje, excepcionalmente, não haverá aula de Zumba e Ritmos. O auditório do SINDECC, na noite de hoje, será palco de Assembleia Geral Extraordinária (às 18:30). Quinta-feira, ás 18:40, a aula de Zumba e Ritmos volta com tudo. Até lá!

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi adiada!



O SINDECC informa que a reunião que aconteceria amanhã, 18 de janeiro, às 16h, no Ministério do Trabalho, foi adiada para a próxima quinta-feira, 19 de janeiro, às 17h; visto que, o Mediador Francisco Reginaldo informou de última hora que precisará se ausentar por motivo de força maior.

A Diretoria do SINDECC reforça a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato, inclusive, na reunião de quinta-feira no Ministério do Trabalho. Juntos sairemos mais fortes e unidos.




sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi marcada para o dia 18 de janeiro




No dia 30 de novembro de 2016, os comerciários, em Assembleia Geral Extraordinária, aprovaram a Pauta de Reivindicações com 68 cláusulas. No dia 09 de dezembro de 2016, esta mesma Pauta foi enviada e protocolada junto ao Ministério do Trabalho e às entidades patronais.

Já no dia 27 de dezembro de 2016, na sede do Ministério do Trabalho, aconteceu uma reunião informal entre o SINDECC, SINDLOJA e o Gerente do Trabalho e Emprego, Francisco Reginaldo, onde ambas as entidades apresentaram seus novos dirigentes que farão parte do processo de negociação salarial para o ano de 2017. Na oportunidade, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 18, às 16h, no Ministério do Trabalho, quando o SINDECC receberá a contraproposta do Sindicato Patronal e repassará para toda a classe comerciária em uma nova assembleia.

Sendo assim, gostaríamos de reiterar a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato. Juntos sairemos mais fortes e unidos.

A Direção do SINDECC

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Feminicídio, Chacina em Manaus e outras heranças de 2016

Karinny Oliveira e Ronaldo Sales falam em entrevista empolgante para a TV SINDECC sobre a delicada questão do feminicídio que cresce a cada dia no Brasil, a chacina em Manaus, racismo e os rumos que 2017 já começou a tomar.




sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Desrespeito com trabalhadoras e Trabalhadores na Magazine Luiza em Caruaru



Fotos: Ricardo Soares / SINDECC





















Nossa equipe de fiscalização compareceu hoje (06/01/2017), às 15h, à empresa Magazine Luiza e constatou que funcionários estão trabalhando além da jornada de trabalho permitida. Excepcionalmente, hoje, foi solicitado pela Magazine Luiza, através de comunicado* apresentado junto à esta Entidade Sindical, o funcionamento da loja para uma campanha promocional (Liquidação Fantástica), com determinação de jornada de trabalho iniciada às 06:00h até as 14:00h, porém, conforme constatado pela equipe de fiscalização do SINDECC, já se passam das 15h e a loja continua aberta com vários empregados trabalhando e, ainda segundo denúncias, muitos deles não teriam almoçado até aquele momento. A Gerente da loja afirmou que nada demais estava acontecendo, pois se trata de um momento de festa e, sendo assim, tudo estaria na normalidade. O Ministério do Trabalho já foi acionado. Esperamos que esta falta de respeito com as trabalhadoras e trabalhadores seja punida na forma da Lei.


Sindicato dos Comerciários de Caruaru - SINDECC


 

Comunicado*



quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Campanha de Sindicalização 2017: Parceria com o Dr Roberto Vieira



Durante a Campanha de Sindicalização 2017 promovida pelo SINDECC, firmamos mais um convênio para os associados e dependentes a fim de proporcionar benefícios a toda categoria comerciária. Desta vez, o Oftalmologista Dr Roberto Vieira é quem fecha uma parceria com o SINDECC.

O Dr Roberto Vieira atende na Rua Rodrigues de Abreu, 22, no bairro Maurício de Nassau (próximo ao Hospital do Coração), nos seguintes dias e horários:

De segunda-feira à sexta-feira - das 08:00 às 11:30

Especialidades:

Oftalmologia
Refração
Avaliação
Tonometria Ocular
Campimetria Computadorizada
Mapeamento de Retina
Teste Ortóptico
Exercícios Ortópticos
Urgências Oculares

Valor da Consulta é de R$ 60,00 para associados e dependentes.

Aqueles que ainda não são associados ao SINDECC, mas que desejam usufruir dos benefícios oferecidos à categoria, devem procurar a Sede do sindicato, estabelecida na Rua do Norte, nº 38, Centro, Caruaru – PE, com a documentação necessária para a confecção da carteira de sócio, qual seja: Cópias do RG, CPF, CTPS (Carteira de Trabalho), Comprovante de Residência.


terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Projeto “Liberdade do Corpo e da Mente”


Como parte das novas propostas que o SINDECC está preparando para a categoria em 2017, a partir de janeiro, estaremos iniciando o Projeto “Liberdade do Corpo e da Mente” com o Professor Marcos Mercury. O desenvolvimento deste projeto tem sido uma tarefa de grande satisfação por parte da diretoria e funcionários do sindicato, pois acreditamos que a dança corporal liberta, traz ânimo e disposição para que a categoria continue firme na luta.

O comerciário associado e seus dependentes pagarão apenas R$ 20,00 mensais e terão que comparecer na sede do SINDECC para fazer sua inscrição munido de sua Carteira de Sócio. Para o público em geral o valor da mensalidade será de R$ 30,00. As aulas acontecerão nas terças e quintas, nos horários das 18h40m às 20h.    


Aula de Dança: Zumba e Ritmos
Professor Marcos Mercury
Data início: 17 de janeiro de 2017
Hora: 18h40m às 20h
Local: SINDECC
Endereço: Rua do Norte, 38, Centro, Caruaru / PE
Informações pelos telefones: 81.3721.2894 / 9.9937.6674

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi marcada para o dia 18 de janeiro



No dia 30 de novembro de 2016, os comerciários, em Assembleia Geral Extraordinária, aprovaram a Pauta de Reivindicações com 68 cláusulas. No dia 09 de dezembro de 2016, esta mesma Pauta foi enviada e protocolada junto ao Ministério do Trabalho e às entidades patronais.

Já no dia 27 de dezembro de 2016, na sede do Ministério do Trabalho, aconteceu uma reunião informal entre o SINDECC, SINDLOJA e o Gerente do Trabalho e Emprego, Francisco Reginaldo, onde ambas as entidades apresentaram seus novos dirigentes que farão parte do processo de negociação salarial para o ano de 2017. Na oportunidade, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 18, às 16h, no Ministério do Trabalho, quando o SINDECC receberá a contraproposta do Sindicato Patronal e repassará para toda a classe comerciária em uma nova assembleia.

Sendo assim, gostaríamos de reiterar a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato. Juntos sairemos mais fortes e unidos.

A Direção do SINDECC

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

De livre espontânea vontade e sensibilidade.

O professor e amigo Ailton Fortunato acaba de doar alguns livros e revistas para o Espaço Cultura Moderna do SINDECC. O espaço foi criado para a inclusão do saber e coletividade do ser. Quem quiser contribuir com doações de livros para o Espaço Cultura Moderna, pode entrar em contato pelos fones: 81.3721.2894 ou 9.9937.6674. O sindicato fica na Rua do Norte, 38, Centro de Caruaru / PE.





Salário mínimo vai a R$ 937, quatro vezes menos que o exigido pela Constituição

Salário minimo chegará a R$ 937. Para atender tudo que a lei exige que um salário mínimo cobrisse o valor deveria estar próximo aos quatro mil reais.

















O salário mínimo vai aumentar dos atuais R$ 880,00 para R$ 937,00 a partir de 1º de janeiro. O governo autorizou uma elevação de 6,74%, estimativa do Ministério da Fazenda para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE.
Esse aumento segundo um dos menores índices de inflação existentes é o previsto na lei promulgada por Lula que instituiu o aumento do mínimo somado à variação do PIB de dois anos antes. Como 2015 foi registrada recessão o índice fica em zero, o mesmo acontecerá em 2018 pois 2016 também registrou recessão, isso se a regra for mantida.
Em 2015, o País registrou uma queda de 3,77% na atividade econômica, de acordo com o IBGE.
O novo valor do salário mínimo ainda o torna muito distante do valor necessário para cobrir o que está previsto na constituição. O salário mínimo deveria cobrir as necessidades de uma família de 4 pessoas no que tange a moradia, saúde, educação, vestimenta e lazer. O DIEESE calcula que o valor necessário para essas necessidade seria de R$ 3940,41 no mês de novembro, quatro vezes mais do que o valor que entrará em vigor ano que vem.
A discrepância entre o salário recebido (com a amplíssima maioria recebendo o mínimo) e o salário mínimo necessário aumenta crescentemente em meio a aumento do desemprego e até mesmo atraso e parcelamento de salários, como acontece em estados em crise, como é o caso do Rio Grande do Sul Rio de Janeiro.
Com informações do DIEESE e da Agência Estado
Fonte: http://www.esquerdadiario.com.br/Salario-minimo-vai-a-R-937-quatro-vezes-menos-que-o-exigido-pela-Constituicao

Fiscalização para o 1º de janeiro (Confraternização Universal).

De acordo com o disposto no art. 1º da Lei nº 662, de 06/04/1949, o dia 1º de janeiro é considerado Feriado Nacional. Sendo assim, não poderá haver a prática de jornada de trabalho. Os Centros de Compras têm a garantia de funcionar apenas com o comércio ligado ao lazer e a praça da alimentação. As demais atividades não poderão determinar a prática de jornada de trabalho no 1º de janeiro. Vale lembrar que isto serve para todo o restante do comércio da cidade, área central ou bairros. O SINDECC já requereu fiscalização junto ao Ministério do Trabalho (ver ofício abaixo).



A Direção do SINDECC



Novo salário mínimo de R$ 937 entra em vigor no dia 1º de janeiro

O governo federal anunciou o reajuste do salário mínimo de R$ 880 para R$ 937 em 2017. O novo valor passa a vigorar no dia 1º de janeiro de 2017. O presidente Michel Temer assinou um decreto nesta quinta-feira (29) prevendo o reajuste. A medida deve ser publicada no Diário Oficial da União de amanhã (30) ou da próxima segunda-feira (2).
Dinheiro
O valor de R$ 937 é menor que o estabelecido no Orçamento Geral da União aprovado pelo CongressoMarcello Casal/Agencia Brasil
Em nota divulgada no início da noite de hoje (29), o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão informa que  o reajuste significa um aumento de R$ 38,6 bilhões da massa salarial em 2017. Esse valor representa 0,62% do Produto Interno Bruto (PIB) e, segundo o governo, terá “efeitos positivos na retomada do consumo e do crescimento econômico ao longo do ano”.
No dia 15 de dezembro, o Congresso Nacional aprovou o Orçamento Geral da União para 2017 estabelecendo o novo salário mínimo no valor R$ 945,80. No anúncio oficial do valor, mais baixo, o governo explicou o motivo da alteração. A justificativa está no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), utilizado para calcular o reajuste do mínimo e que foi menor do que o previsto inicialmente.
“A estimativa para o INPC em 2016 é de 6,74% calculada pelo Ministério da Fazenda, menor do que a previsão de 7,5% realizada em outubro quando do envio da Lei Orçamentária Anual de 2017 [...]. No acumulado do ano, até novembro, o INPC está em 6,43%. Em virtude da inflação menor em 2016, o reajuste será menor do que o previsto na LOA [Lei Orçamentária Anual]. Trata-se, portanto, de aplicação estrita da legislação”.

Por Marcelo Brandão e Paulo Victor Chagas - Repórteres da Agência Brasil
Edição:
 Juliana Andrade

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O SINDECC ESTARÁ FECHADO NO DIA 02 DE JANEIRO DE 2017.





















Informamos que no dia 02 de janeiro de 2017 (segunda-feira), o sindicato não irá funcionar. Pois, recentemente, passamos por mudança de prédio onde tivemos o envolvimento de toda a equipe e achamos justo, não abrir neste dia e dar um merecido descanso aos que compõe o quadro de Funcionários e Diretores do SINDECC.

A Direção do SINDECC


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Saque o abono do PIS até quinta-feira e receba R$ 880.


Se você ainda não recebeu o abono do PIS/Pasep, referente a 2014, é possível sacar seu dinheiro até a próxima quinta-feira, 29, nas agências do Banco do Brasil (no caso de servidores públicos) ou da Caixa Econômica Federal (funcionários de empresas privadas). O abono salarial é equivalente a um salário mínimo (R$ 880).
Já para quem possui o Cartão Cidadão, com senha, é possível realizar o saque nos caixas eletrônicos da Caixa ou até mesmo em lotéricas até a sexta-feira, 30 (Na data, as agências bancárias estarão fechadas).
Segundo o Ministério do Trabalho, até o dia 19 de dezembro, mais de 900 mil pessoas não havia solicitado o benefício.
Em caso da não retirada do dinheiro, os recursos voltam para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o trabalhador perde o direito ao abono.
Quem tem direito? 
Para saber se você tem direito ao abono salarial, acesse o site criada pelo ministério do trabalho, clicando aqui.. É necessário informar o número do CPF ou do PIS/Pasep e a data de nascimento.
Fonte: https://catracalivre.com.br/geral/emprego-trabalho/indicacao/saque-o-abono-do-pis-ate-quinta-feira-e-receba-r-880/

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O "belíssimo presente de natal" de Temer inclui trabalhar 220 horas mensais.



Na manhã de ontem (22), Temer reuniu-se com jornalistas para apresentar medidas que incluem a Reforma Trabalhista por meio de um projeto de Lei. A Globo, e outros veículos de comunicação, tentam disfarçar o ataque chamando de “mini”, mas para os trabalhadores representará o fim da CLT.


Conforme denunciamos aqui, Temer anunciou em solenidade na manhã desta quinta (22) o que ele chama de “belíssimo presente de natal” aos trabalhadores, mas que realmente significa fim dos direitos conquistados por meio de muita luta.
O que a Globo, Estadão e Folha chamam de “minirreforma” significará um aumento de uma semana da jornada de trabalho mensal, uma vez que a reforma acordada com as centrais sindicais prevê que a jornada possa ser estendida em até 12 horas diárias, não podendo ultrapassar as 220 mensais (!!!). Jornadas que remontam os primeiros anos da Revolução Industrial. Hoje a jornada é de 8 diárias e 44hs semanais, e a reivindicação dos trabalhadores é que se reduza a jornada sem redução dos salários.
Ao contrário dos anseios dos trabalhadores, e dos que lutam por melhores condições de trabalho, o governo anuncia um enorme presente aos patrões. Semana passada retirou a obrigatoriedade da multa por demissão, aprovou o texto da Reforma da Previdência, a PEC 55, e hoje envia o projeto de lei da reforma trabalhista, a que tanto anseia a grande mídia e empresários.
A reforma ainda prevê o parcelamento das férias, trinta minutos de horário de almoço, fim dos acordos coletivos, em suma fim da CLT. Tudo será decidido em acordos firmados entre patrões e funcionários pela via dos sindicatos.
Outra medida, mas esta já assinada durante a solenidade, é o Programa de Seguro Emprego, antigo Plano de Proteção ao Emprego de Dilma que permite redução da jornada em até 30%, com redução de salário, sendo metade paga pelos empresários e a outra pelo governo.Tal medida que já vinha sendo implementada nas grandes montadoras, como saída para a crise econômica defendida pela CUT, não assegurou os empregos em empresas como a Mercedes que logo após o final do PPE demitiu em massa.
A Reforma é um imenso ataque e como resposta as centrais é defender as medidas do governo como resposta à crise. Não podemos ter confiança que deste congresso corrupto, da mídia, do judiciário, e mesmo do PT, surja uma saída que favoreça os trabalhadores, a exemplo do “belíssimo presente de natal” de Temer. Precisamos exigir que essas centrais rompam imediatamente sua paralisia e trégua ao governo e organizem nas bases uma greve geral contra a série de ataques, para assim, a partir da mobilização construir uma nova Constituinte, livre e soberana, questionando os privilegiados, colocando as demandas dos trabalhadores a frente, e servindo de experiência na construção de um governo dos trabalhadores em ruptura com o capitalismo.
Abaixo a lista de mudanças que propõe a Reforma Trabalhista de Temer.
FÉRIAS
O governo propõe o parcelamento das férias em até três vezes, com pagamento proporcional aos respectivos períodos, sendo que uma das frações deve corresponder a ao menos duas semanas de trabalho;

JORNADA DE TRABALHO
A jornada de trabalho poderá ser diferente de 8 horas diárias e 44 horas semanais. O limite diário, no entanto, é de 12 horas diárias e de 220 horas mensais;

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS
O acordo coletivo pode definir as regras para a participação nos lucros e resultados, incluindo parcelamento no limite dos prazos do balanço patrimonial e/ou dos balancetes legalmente exigidos, não inferiores a duas parcelas;

JORNADA EM DESLOCAMENTO
Trabalhadores que vão e voltam ao emprego em transporte oferecido pela empresa têm esse tempo de deslocamento contabilizado como jornada de trabalho. Pela proposta, um acordo coletivo pode mudar isso;

INTERVALO ENTRE JORNADAS
Hoje, o tempo de almoço, por exemplo, é de uma hora. Pela proposta do governo, esse tempo poderia ser diferente. O intervalo entre jornadas tem que ter um limite mínimo de 30 minutos;

FIM DE ACORDO COLETIVO
A Justiça decidiu que quando um acordo coletivo está vencido, o último acaba valendo. O Supremo Tribunal Federal, porém, reviu essa decisão. A proposta do governo prevê que as partes podem concordar com a extensão de um acordo coletivo após sua expiração

PROGRAMA DE SEGURO-EMPREGO
Trabalhadores e empregadores, de acordo com o projeto de lei, deverão decidir juntos sobre a entrada no Programa de Seguro-Emprego (PSE);

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS
Plano de cargos e salários também ficará a cargo das negociações entre trabalhadores e empregadores;

BANCO DE HORAS
As negociações em relação a banco de horas ficarão nas mãos das partes, de acordo com o projeto de lei. No entanto, fica garantido o acréscimo de 50% no valor pago pela hora extra;

REMUNERAÇÃO POR PRODUTIVIDADE
A remuneração por produtividade será decidida também em acordo coletivo;

TRABALHO REMOTO
Cada vez mais comum, as regras sobre o trabalho por telefone, internet e smartphone, por exemplo, ficarão nas mãos de trabalhadores e empregadores, de acordo com o projeto de lei.

REGISTRO DE PONTO
A forma de registro e acompanhamento de ponto pode ser definida em acordo coletivo. Isso flexibiliza, por exemplo, a exigência de ponto eletrônico.

Fonte: http://www.esquerdadiario.com.br/O-belissimo-presente-de-natal-de-Temer-inclui-trabalhar-220-horas-mensais

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Explicações sobre a cobrança da Taxa Confederativa 2016.

Companheiros(as), é muito importante que você contribua e fortaleça quem de fato luta por seus direitos.


SINDECC REQUER FISCALIZAÇÃO PARA O NATAL.

A Convenção Coletiva 2015/2016, firmada entre o SINDECC e os sindicatos patronais, não garante a determinação de prática de jornada de trabalho nos feriados de Natal e Ano Novo. O SINDECC INFORMA que já requereu fiscalização junto à GRTE - Caruaru (conforme ofício abaixo)uma vez que não poderão funcionar os Centros de Compras nem as empresas estabelecidas no comércio central e nos bairros.





O SINDECC ESTARÁ FECHADO NOS DIAS 26 DE DEZEMBRO E 02 DE JANEIRO






















Informamos que nos dias 26 de dezembro e 02 de janeiro (ambos numa segunda-feira), o sindicato não irá funcionar. Pois, recentemente, passamos por mudança de prédio onde tivemos o envolvimento de toda a equipe e achamos justo, não abrir nestes dias e dar um merecido descanso aos que compõe o quadro de Funcionários e Diretores do SINDECC.

A Direção do SINDECC