terça-feira, 21 de março de 2017

Próxima Rodada de Negociação com os patrões acontecerá sexta-feira, dia 24, às 15h.


























A Direção do SINDECC entende que esta será a mais importante das reuniões dentro do processo de Negociação Coletiva de Trabalho 2017. Assim como em todas as reuniões, iremos com o espirito de fechar esta negociação tão esperada por nós, direção e comerciários. Infelizmente, o horário desta reunião não será dos melhores, impossibilitando a participação da maioria dos comerciários. Na última reunião, colocamos em mesa uma proposta de R$ 1.040,00 para o piso e um reajuste de 8% para quem ganha acima do piso. Os patrões ficaram de apreciar.
No entanto, reforçamos aqui nosso empenho para que esta difícil negociação tenha seu capítulo final nesta sexta-feira.
Local: Ministério do Trabalho
Endereço: Rua Cônego Júlio Cabral, 157 - Maurício de Nassau, Caruaru – PE


A Direção do Sindicato dos Comerciários de Caruaru - SINDECC

Reforma da Previdência e Trabalhista serão discutidas no Projeto Mídia Própria do SINDECC


No próximo sábado (25), às 14h, o Projeto Mídia Própria do SINDECC abordará duas questões de interesse de toda sociedade; Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista. Ambos, implica diretamente na vida de cada cidadão e cidadã deste país. O evento acontecerá na sede do Sindicato dos Comerciários de Caruaru, Rua do Norte, 38, Centro, Caruaru / PE (por trás do Hotel Central). A entrada é gratuita.  

Pernambuco: jovem baleado por PM em protesto segue em estado grave

Edvaldo Alves, de 20 anos, foi alvejado na coxa enquanto participava de um protesto de moradores em Itambé, no interior do estado



Por Sumaia Villela
Moradores do município de Itambé, no interior de Pernambuco, fizeram um protesto nesta segunda-feira 20 para pedir punição ao policial que atirou em Edvaldo da Silva Alves, de 20 anos, durante uma manifestação contra a violência na cidade na última sexta-feira 17. Os moradores querem também que o Estado seja responsabilizado pelo caso. O homem está internado em estado grave.
Um vídeo, que circula nas redes sociais, mostra o momento em que Edvaldo Alves, de 20 anos, é baleado na coxa por um policial militar. O jovem participava de um protesto, feito por moradores de Itambé, e que fechou a Rodovia PE-75 por várias horas.
No início da gravação, três policiais e manifestantes aparecem discutindo para a retirada do bloqueio. Uma mulher tenta convencer os demais moradores a se retirarem. Edvaldo questiona a ordem e reclama de ameaças que teriam sido feitas pelos agentes de segurança de atingir os moradores com balas de borracha. Um dos policiais então fala: “É esse quem vai levar um tiro primeiro?” e ordena que outro policial, com um arma de calibre 12 na mão, efetue o disparo.
Edvaldo é atingido à queima-roupa na coxa e cai no chão, sangrando. O policial militar que deu a ordem para atirar arrasta o homem pela camisa até a viatura. Enquanto é arrastado, Edvaldo é agredido pelo policial na cabeça. Os agentes o erguem pela bermuda e o jogam na carroceria da viatura, uma caminhonete – que não é possível identificar a placa. Em seguida, o motorista arranca com o veículo.

Edvaldo Alves está internado na UTI do Hospital Miguel Arraes, no Paulista, município da região metropolitana do Recife. O último boletim divulgado pelo hospital informa que ele continua em estado grave. O tiro atingiu a veia femoral, o que fez com que Edvaldo perdesse muito sangue. “Nesse domingo (19) foi submetido a uma intervenção para retirada de compressas colocadas em cirurgia para estancar sangramentos. Seu estado de saúde vem apresentando melhora significativa. Continua realizando hemodiálise e respirando através de aparelhos”, diz a nota.

Família pretende recorrer à Justiça
Em entrevista à Agência Brasil, o irmão de Edvaldo, o auxiliar de serviços gerais José Roberto da Silva, de 27 anos, disse que a família pretende recorrer à Justiça. “Ainda não sei quando, vou esperar acalmar um pouco, agora o importante é a vida do meu irmão”, disse, por telefone. No momento em que falava com a reportagem, ele acompanhava 14 pessoas de Itambé ao Recife para doar sangue ao irmão.
Ele conta que Edvaldo mora com a mãe e está desempregado. Ajuda na renda domiciliar com bicos em marcenaria e pintura. “Primeiro protesto que ele foi. Meu irmão é uma ótima pessoa, não faz mal a ninguém, um cidadão de bem. Justiça é a primeira palavra que eu tenho para dizer”.
Governo abriu inquérito
Por meio de nota, a Secretaria de Defesa Social disse que instaurou um inquérito policial na delegacia de Itambé e um procedimento administrativo para apurar a ocorrência. “Ouvidas testemunhas, tanto dos policiais militares quanto dos manifestantes que estavam no local, já foram iniciadas e continuarão até o esclarecimento dos fatos”, diz a nota.
O Comando Geral da Polícia Militar informou, também em nota, ter aberto inquérito policial militar para apurar a conduta dos PMs. A nota afirma que os agentes foram “retirados das funções de policiamento ostensivo até a apuração completa dos fatos. A PM está colaborando com a Corregedoria da SDS [Secretaria de Defesa Social], que também está atuando no caso”.
Assembleia Legislativa acompanha caso
A Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) acompanha o caso. O presidente da comissão, deputado Edilson Silva, esteve no município ontem (19)  e acompanhou o protesto desta manhã.
O parlamentar informou, por meio de sua assessoria de comunicação, que vai convocar uma reunião extraordinária do colegiado para a próxima quarta-feira (22) para definir a atuação do grupo no caso.  A intenção, segundo o deputado estadual, é pedir ao Ministério Público de Pernambuco e a Procuradoria-Geral de Justiça que cobrem agilidade nas investigações.

Fonte: https://www.cartacapital.com.br/politica/pernambuco-jovem-baleado-por-pm-em-protesto-segue-em-estado-grave

15 de março em Caruaru - Rumo à Greve Geral



No último dia 15 de março em Caruaru, vários movimentos sociais, sindicatos, partidos, professores e estudantes, foram  às ruas protestar contra a Reforma da Previdência do Governo Temer. O resultado, foi uma unicidade nas falas, mostrando aos que estão do lado de cima da pirâmide que o caldo vai engrossar caso esse projeto venha vigorar.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Com participação da categoria comerciária, Negociação Coletiva avança!



























Por Ricardo Soares / SINDECC

Na noite de ontem (16), no Ministério do Trabalho, aconteceu mais uma Rodada de Negociação Coletiva de Trabalho entre o SINDECC e o sindicato patronal. Como era de se esperar, a negociação travou nas questões dos feriados e econômicas. Desta vez, a proposta do sindicato patronal foi um piso de R$ 1.000.00 (um mil reais) e um reajuste de 4% para quem recebe acima do piso. Proposta esta que está abaixo dos reajustes de cidades menores que Caruaru como Garanhuns e Palmares; nesta última, o piso salarial para o ano de 2017 é de R$ 1.035,00. Em contrapartida, o SINDECC propôs um piso de R$ 1.040,00 (um mil e quarenta reais) e 8% para quem recebe acima do piso.
Ainda não foi desta vez que a Convenção foi fechada. O sindicato patronal ficou de apreciar nossa proposta e, na próxima semana, na Sede do Ministério do Trabalho (dia a confirmar), sentaremos novamente para discutir e, quem sabe, definitivamente fechar esta Convenção.
Registramos aqui a significativa participação da categoria comerciária na reunião de ontem. A intenção do sindicato foi alcançada e os que estiveram presentes viram como é difícil todo o processo de Negociação Coletiva, tendo em vista a intransigência de alguns patrões na mesa de negociação.  
Sem luta e sem união não chegaremos a lugar algum. Ontem tivemos provas que a categoria comerciária unida incomoda e muito!


quinta-feira, 16 de março de 2017

Hoje tem importante reunião com os patrões!

A reunião acontece na sede do Ministério do Trabalho (Rua Cônego Júlio Cabral, 157 - Maurício de Nassau), às 18h30.
Lembramos que terá uma van a disposição dos comerciários, tanto para levar para o MTE, como para levar em casa assim que a reunião terminar.





terça-feira, 14 de março de 2017

O SINDICATO É O NOSSO PRINCIPAL INSTRUMENTO DE LUTA!



O SINDICATO É O NOSSO PRINCIPAL INSTRUMENTO DE LUTA!

Todos os ataques aos direitos trabalhistas que estão acontecendo hoje se devem pelo fato de existir um projeto bem arquitetado pelos políticos para acabar de vez com as Leis trabalhistas. Desde o primeiro dia útil do ano, temos recebido no SINDECC várias ligações de comerciários perguntando a respeito do aumento de salário da categoria. A Diretoria do SINDECC tem evitado dar respostas por telefone, por entender que é de grande importância que o comerciário compareça às Assembleias e às Rodadas de Negociação Coletiva de Trabalho realizadas no Ministério do Trabalho com o Sindicato Patronal.

Aos comerciários, gostaríamos de pedir que fizessem uma reflexão sobre o que representa o seu sindicato, principalmente em momentos difíceis como este. Não somos um sindicato que luta apenas por salário, lutamos também por outros direitos tão importantes quanto o salário. Lembramos que está em jogo também a existência deste sindicato, quanto representação de uma categoria, e, consequentemente, a manutenção dos direitos já conquistados que, hoje, podem deixar de existir caso não estejamos unidos.

Atualmente, temos um universo de, aproximadamente, 15 mil comerciários sendo chamados para participar, de fato, das lutas do SINDECC. São aproximadamente 15 mil pessoas que, juntas, podem fazer a total diferença. Essa nova diretoria entende que não pode avançar sem que todos nós, diretores e comerciários, estejamos juntos, tanto na Negociação Coletiva, quanto nos projetos que o sindicato vem desenvolvendo.

Sendo assim, dia 16 de março, às 18h30, na Sede do Ministério do Trabalho, acontecerá a reunião que poderá mudar toda essa história. Convocamos cada comerciário representado por este sindicato para que possamos lotar as dependências do Ministério do Trabalho e mostrar para o patronal a força do trabalhador.


Por
Aline Simão de Melo – Presidenta do SINDECC
Ricardo Soares – Assessor de Imprensa do SINDECC

Revisão
Laysa Oliveira
Auxiliar de Departamento Jurídico - SINDECC



Reforma Trabalhista: O patrão dita quando você trabalha e quando ele te paga, propõe Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse recentemente que pensa ser "tímida" a proposta de reforma trabalhista como está, onde o trabalhador terá que “negociar” com o patrão quais direitos você está disposto a perder para ter um emprego. O que ele, junto a Câmara de Deputados, propõe é que o patrão também decida quando você vai trabalhar, portanto, quando ele vai te pagar.



O relator da reforma, Rogério Marinho (PSDB-RN), confirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que há espaço para que a Câmara costure uma mudança mais profunda na legislação trabalhista, de modo a tirar ainda mais direitos dos trabalhadores, ou como dizem Temer e os demais idealizadores desse ataque: mudança para “modernizar” as relações de trabalho.
Tentam ganhar os trabalhadores para o lado da reforma dizendo que o objetivo dela é a criação de empregos, quando na realidade trata-se de fazer com que o desemprego gerado pelos patrões seja corrigido com empregos ultra-precarizados, instáveis, terceirizados, com remuneração ainda mais baixa. Isso porque os patrões não querem perder seus lucros e privilégios, preferem ver milhões sem ter salário para alimentar a sua família.
Quando antes um dos pontos principais da reforma era a possibilidade do patrão contratar funcionários negociando com ele os direitos que ele está disposto a abrir mão para ter o emprego, um salário, agora Marinho pretende incluir no projeto o que eles chamam de “contrato intermitente de trabalho”. No contrato intermitente, a empresa admite o funcionário e o aciona apenas quando necessário. Ou seja, a ideia é que o patrão decida quando iremos trabalhar, desse modo, quando nós receberemos o pagamento. É um escândalo!
Para Marinho e Rodrigo Maia, este que disse recentemente que a Justiça do Trabalho nem deveria existir, dando a entender que os trabalhadores é que são um problema para o patrão e seus lucros (quando na realidade é o contrário) essa mudança pode ainda "ser o início do processo de desatravancar" a Justiça do Trabalho, reduzir esse ‘entulhamento’ na primeira instância da Justiça". Dizem isso sabem que os trabalhadores passarão a estar desamparados pela Justiça do Trabalho – que nunca teve uma tendência a pender para o lado do trabalhador, ao contrário do que dizem os golpistas – ou seja, os trabalhadores não terão direitos para reivindicar na Justiça! Restará o livre direito do patrão explorar o trabalhador da forma e intensidade que ele quiser.
Não podemos deixar que os golpistas e os patrões ditem sobre nossos direitos conquistados ao longo de muito suor e luta por condições dignas de trabalho e salário. Além dessa Reforma da Trabalhista, querem que os trabalhadores literalmente morram trabalhando, sem ter direito real a aposentadoria, com a proposta de Reforma da Previdência. No dia 15 de março haverá uma importante mobilização nacional contra esses ataques dos golpistas, e a CUT e a CTB, que só alimentam um sentimento de desmoralização nos trabalhadores e com isso propõem uma trégua a esses ataques, devem urgentemente construir essa luta através de assembleias nos locais de trabalho, para que a base de trabalhadores tome nas mãos essa luta, pois só assim é possível vencer esse governo ajustador e anti-trabalhador.


Fonte: 
http://www.esquerdadiario.com.br/Reforma-Trabalhista-O-patrao-dita-quando-voce-trabalha-e-quando-ele-te-paga-propoe-Maia

quinta-feira, 9 de março de 2017

Assembleia Geral Extraordinária no SINDECC (08/03)

Em Assembleia (08/03), comerciários decidem sobre o salário e Dia do Comerciário.





terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Reforma trabalhista permite mais contratos sem seguro e estabilidade


























Medida do governo Temer aumenta o tempo permitido para contratos temporários, nos quais os trabalhadores têm menos direitos


Por André Campos
O governo Michel Temer propõe que trabalhadores possam ser contratados por até oito meses sem diversos direitos trabalhistas. A sua proposta de reforma trabalhista aumenta o prazo máximo para contratos temporários de 90 dias para 120 dias, prorrogáveis por igual período. A medida deve aumentar o número de funcionários temporários, que não têm direito ao seguro-desemprego, à estabilidade para gestantes ou a verbas rescisórias como o aviso prévio e os 40% de multa do FGTS.

Os temporários representam, portanto, menos custos para as empresas ao desobrigá-las de pagar encargos que são o principal motivo de calote aos empregados fixos brasileiros. “O maior número de ações ajuizadas na Justiça Trabalhista é decorrente do não pagamento das verbas rescisórias”, explica Magno Riga, auditor fiscal do Ministério do Trabalho.

















O projeto também permite que os temporários trabalhem mais horas por dia. A jornada máxima deles aumentaria de 25 para 30 horas semanais. Além disso, o projeto permite até seis horas extras semanais para temporários com jornadas inferiores a 26 horas por semana. A lei atual proíbe as horas extras para esses trabalhadores.
O aumento dos contratos temporários e em regime parcial é uma tendência global. Nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, houve um grande avanço dessas modalidades após a crise econômica de 2008. Estimativas apontam que elas já representam 40% da força de trabalho em território norte-americano.

Para o procurador geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, isso não levou à geração de novos empregos nesses países. O que ocorreu, na verdade, foi a substituição dos funcionários em tempo integral pelos trabalhadores temporários e parciais, com redução de salário e estabilidade para a população.











“O resultado disso foi um preocupante aumento da tensão social, que está conduzindo à instabilidade política e influenciando decisivamente resultados eleitorais, como revela a eleição do candidato Donald Trump nos EUA e a saída do Reino Unido da Comunidade Europeia (Brexit)”, argumenta Fleury em nota técnica sobre a reforma trabalhista do governo, divulgada pelo Ministério Público do Trabalho.
*Reportagem publicada originalmente na Repórter Brasil


Informações: http://www.cartacapital.com.br/economia/reforma-trabalhista-permite-mais-contratos-sem-seguro-e-estabilidade

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Minicurso - Por uma teoria Marxista do Jornalismo - Introdução à obra de Adelmo Genro Filho



Nos dias 03 e 04 de março, o SINDECC realizará o Minicurso de Introdução à obra de Adelmo Genro Filho, este que foi um dos grandes nomes do jornalismo social do Brasil. Teremos a honra e o prazer de ter como ministrante deste minicurso, o Prof. Dr. Romero Venâncio, pessoa incansável na educação de uma sociedade mais politizada.

“Se a teoria na prática é outra, então há algo errado na teoria”, dizia Adelmo Genro Filho. Este Minicurso cai em boa hora, pois, a mídia burguesa sempre manipulou a sociedade, com suas pautas grotescas. O papel da imprensa sindical é justamente de conscientização, mobilização e educação dos trabalhadores, logo, gerando uma reflexão.

O Minicurso será aberto para toda a classe de trabalhadores, assim como para estudantes da área e população de modo geral. A entrada será franca e, para os que participarem, o certificado será garantido.    

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Resultado da Reunião entre SINDECC e o sindicato patronal



Integrantes do Sindicato dos Comerciários de Caruaru falam da 2ª Rodada de Negociação Coletiva.

2ª Rodada de Negociação Coletiva no Ministério do Trabalho





























Prezados trabalhadores do comércio de Caruaru,

O SINDECC, por meio de sua Assessoria Jurídica, gostaria de repassar algumas informações a respeito da reunião que foi realizada na noite de ontem (16/02/2017) referente às negociações da nova Convenção Coletiva de Trabalho:
Como já é de costume, as cláusulas de natureza econômica, que são aquelas que se referem, por exemplo, ao reajuste salarial e às ajudas de custo para os empregados que trabalham nos domingos e feriados; bem como as cláusulas relativas à jornada de trabalho, como por exemplo, banco de horas e trabalho prestado nos domingos e feriados, por serem cláusulas mais polêmicas e de difícil negociação, foram deixadas pendentes para serem melhor analisadas e negociadas na próxima reunião que será realizada no dia 16/03/2017, às 18h:30min, ficando apenas decidido que as cláusulas econômicas terão vigência de 12 (doze) meses, ou seja: com início em 01 de janeiro de 2017 e término em 31 de dezembro de 2017.
Assim, na reunião de ontem foram discutidas e negociadas apenas as cláusulas sociais, que são aquelas que não têm caráter econômico.
 Com relação às cláusulas sociais negociadas ficou decidido que: terão vigência de 24 (vinte e quatro) meses, com início em 01 de janeiro de 2017 e término em 31 de dezembro de 2018. Também ficou decidido que algumas cláusulas da Convenção Coletiva anterior seriam mantidas, outras cláusulas teriam a sua redação alterada em benefício da categoria e, outras cláusulas, por serem mais complexas, ficaram pendentes para serem analisadas melhor na próxima reunião.
Por fim, o SINDECC gostaria de enfatizar a respeito da importância da presença da classe trabalhadora apoiando a diretoria no processo de negociação coletiva, uma vez que o que será decidido nessas reuniões de negociação afetará diretamente na vida de cada um dos empregados no comércio de Caruaru, tendo em vista que a Nova Convenção Coletiva, por ser um instrumento normativo, cria regras jurídicas a serem seguidas e aplicadas nos contratos de trabalho de toda a categoria comerciária.




Simône Cordeiro de Sá
Assessora Jurídica do SINDECC
OAB/PE nº 23.707



domingo, 12 de fevereiro de 2017

Ministro da Saúde compra terreno com valor 15 vezes maior que o seu patrimônio

Com patrimônio declarado de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), adquiriu, em 2014, metade de um terreno de R$ 56 milhões em Marialva (PR). Em 2015, na condição de deputado, ele apoiou a liberação de R$ 450 milhões da União para a construção de uma rodovia de 32 km que passa a 3 km do terreno.



Com patrimônio declarado de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), adquiriu, em 2014, metade de um terreno de R$ 56 milhões em Marialva (PR). Em 2015, na condição de deputado, ele apoiou a liberação de R$ 450 milhões da União para a construção de uma rodovia de 32 km que passa a 3 km do terreno. A emenda havia sido apresentada pela bancada de parlamentares do Paraná, que incluía a mulher do ministro, a então deputada federal Cida Borghetti (PP), hoje vice-governadora do Estado e sócia dele na compra da propriedade. Para comprar sua parte, Barros usou duas empresas, a MRC e a RC7, com um capital social de R$ 10 mil cada. Elas foram criadas em outubro de 2013 e maio de 2014 em nome dele e da mulher. “O montante emprestado é atípico. Você cria uma empresa de R$ 10 mil para montar uma lojinha, um carrinho de cachorro quente, não para comprar um imóvel de mais de R$ 50 milhões. Não é comum no mercado”, disse o presidente do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, Idésio Coelho.
Indagado sobre como conseguiu comprar metade de uma propriedade de R$ 56 milhões, Barros respondeu, por meio da assessoria, que usou o empréstimo de R$ 13 milhões da empresa Paysage, sócia dele na aquisição


“A emenda de R$ 450 milhões chegou a ser incluída na previsão de gastos do Executivo de 2015, mas depois foi congelada em razão do ajuste fiscal.
A MRC, sediada no escritório político do ministro em Maringá, foi montada 20 dias antes da divulgação do estudo de impacto ambiental da rodovia pela prefeitura.
O prefeito de Maringá na época do negócio era um aliado de Barros, Roberto Pupin (PP). Ele havia sido vice-prefeito do irmão do atual ministro, Silvio Barros, que administrou Maringá de 2005 a 2012.
A nova rodovia, batizada de Contorno Sul Metropolitano, faria uma ligação mais rápida da propriedade com outras localidades.
Um condomínio de alto padrão está previsto para ser construído no local, de 1,3 milhão de metros quadrados.
Em dezembro de 2014, já como deputado eleito, Barros assinou um documento de reconhecimento de dívida.
A partir de 2016, ele e sua mulher passaram a aparecer como “fiadores” e não mais como proprietários, ou seja, responsáveis por dívidas não pagas pelo responsável direto.
À Folha o ministro disse que vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou, segundo ele, à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões. Ou seja, as microempresas recém criadas foram dadas em troca do empréstimo.
Sem conhecer os nomes dos compradores, falando do negócio em tese, dois especialistas em contabilidade disseram à Folha que se tratou de uma “operação incomum”, ressaltando que não podem assegurar, sem verificar os documentos, que se trate de algo ilícito.
Eles destacam o fato de uma incorporadora ter emprestado R$ 13 milhões a duas empresas que, somente pelo capital social, não possuíam capacidade financeira para honrar o compromisso.”

Fonte: http://www.revistaforum.com.br

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Minicurso - Por uma teoria Marxista do Jornalismo - Introdução à obra de Adelmo Genro Filho


Nos dias 03 e 04 de março, o SINDECC realizará o Minicurso de Introdução à obra de Adelmo Genro Filho, este que foi um dos grandes nomes do jornalismo social do Brasil. Teremos a honra e o prazer de ter como ministrante deste minicurso, o Prof. Dr. Romero Venâncio, pessoa incansável na educação de uma sociedade mais politizada.

“Se a teoria na prática é outra, então há algo errado na teoria”, dizia Adelmo Genro Filho. Este Minicurso cai em boa hora, pois, a mídia burguesa sempre manipulou a sociedade, com suas pautas grotescas. O papel da imprensa sindical é justamente de conscientização, mobilização e educação dos trabalhadores, logo, gerando uma reflexão.

O Minicurso será aberto para toda a classe de trabalhadores, assim como para estudantes da área e população de modo geral. A entrada será franca e, para os que participarem, o certificado será garantido.    

Reunião no MTE, dia 16 de fevereiro.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Apenas 36% dos empregados do agronegócio têm carteira assinada

Um terço do trabalhadores (33%) “atua por conta própria”, outros 15% trabalham sem carteira assinada e somente 4% são empregadores / Marcio Pimenta/ Agência Pública


O agro é informal. Uma pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), mostra que, considerando todos os segmentos do agronegócio, apenas 36% dos empregados têm carteira assinada. Um terço do total (33%) “atua por conta própria”. Outros 15% trabalham sem carteira assinada. Somente 4% são empregadores.
A pesquisa relativa ao ano de 2015 foi divulgada nesta quarta-feira (18/01). Nã0 inclui aqueles que produzem para o consumo, os camponeses. O resumo pode ser lido aqui: “Agronegócio emprega 19 milhões de pessoas no Brasil“.
Entre os 19 milhões de trabalhadores do setor, 9 milhões trabalham no segmento primário. Eles possuem uma renda mensal média de R$ 891, no caso da agricultura, e R$ 998, no caso da pecuária.
A pecuária reúne 3,16 milhões desses 9 milhões de trabalhadores. Outros setores de destaque são os grãos (16% ) e o café (12%).
O segmento de serviços emprega 5,67 milhões de trabalhadores agrícolas, segundo o site Universo Agro, em notícia reproduzida no site do Cepea. Outros 4,1 milhões de trabalhadores estão na agroindústria.

Fonte: brasildefato.com.br






















quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

COMERCIÁRIOS DE CARUARU REJEITAM CONTRAPROPOSTA PATRONAL!






























Em Assembleia realizada no último dia 24 de janeiro, na sede do SINDECC, os comerciários rejeitaram a contraproposta patronal para 2017. A proposta do SINDECC aprovada em Assembleia no dia 30 de novembro e protocolada no Ministério do Trabalho no dia 09 de novembro foi de um piso salarial de R$ 1.300,00 e reajuste de 15% (quinze por cento) para os que recebem um piso superior que o da categoria. Diante disto, convocamos a categoria comerciária para participar de mais uma rodada de negociação nas dependências do Ministério do Trabalho (Rua Cônego Júlio Cabral, 157 - Maurício de Nassau), no dia 16 de fevereiro iremos ter às 17:30h

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A UNIÃO DA CATEGORIA COMERCIÁRIA VENCE A BUROCRACIA SINDICAL































Em assembleia histórica realizada na noite de ontem (24), comerciários, movimentos sociais e entidades sindicais lotaram a sede do Sindicato dos Comerciários de Caruaru. O histórico dos últimos meses das questões internas do sindicato foi passado para a categoria, momento em que muitos se indignaram com a atual situação financeira que o sindicato se encontra hoje, herança deixada pela antiga gestão. Dois pontos de pauta da assembleia foram a declaração de perda de mandato de alguns diretores e a destituição dos ex-membros do Conselho Fiscal e do ex-presidente da entidade do quadro associativo do SINDECC, cuja destituição foi aprovada pela diretoria efetiva, amparada no artigo 9º, § 1º e artigo 68, alínea 'g' do Estatuto do SINDECC de 28/09/200, e  foi levada à apreciação da categoria, atendendo o Artigo 102, alínea 'd', do Estatuto do SINDECC, que, por 40 votos a favor e três abstenções, decidiram pela eliminação destes ex-membros do quadro de sócio do sindicato.

Dando continuidade, a contraproposta da patronal foi apresentada à categoria. Os Sindicatos Patronais estão propondo um piso salarial para o comércio no valor de R$ 980,00 (novecentos e oitenta reais) e reajuste de 3% (três por cento) para os que recebem um piso superior que o da categoria. Lógico que a referida contraproposta foi reprovada pela categoria. A próxima rodada de negociação acontecerá no dia 16 de fevereiro, na sede do Ministério do Trabalho em Caruaru, às 17:30h, entre o SINDECC e SINDLOJA. Com o mesmo empenho que os comerciários demonstraram ontem, acreditamos que iremos lotar essa próxima reunião e, com certeza, vamos conseguir um reajuste justo para essa categoria que tanto gera lucro em nossa cidade e região.

Após a discussão da contraproposta, ainda na noite de ontem, foi iniciada uma segunda Assembleia com um único ponto de pauta que foi a deliberação do início de novas eleições para reposição dos Membros do Conselho Fiscal, visto que pediram renúncia em massa. Essa demanda também foi aprovada pela categoria.  

Entendemos que o sindicalismo tem que ser visto como uma escola de formação de consciência de classe e formação política dos trabalhadores. Na assembleia de ontem, tivemos provas claras disso, quando a categoria, em sintonia com essa nova forma de pensar e agir da diretoria, deram um passo enorme para a desburocratização do sindicalismo no Brasil. Sem união não se chega a lugar algum! Por vários anos, a categoria foi refém desta burocracia. Hoje, se tem a possibilidade de horizontalizar as formas de diálogo com a base.

Agradecemos imensamente cada uma das pessoas que estiveram presente ontem à noite na Assembleia. Daqui para frente é fortalecer ainda mais esse laço entre sindicato e base e construir, de fato, um sindicato classista. 

A Direção do SINDECC



terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Trabalhador unido, jamais será vencido!






HOJE NÃO HAVERÁ AULA DE ZUMBA!



Hoje, excepcionalmente, não haverá aula de Zumba e Ritmos. O auditório do SINDECC, na noite de hoje, será palco de Assembleia Geral Extraordinária (às 18:30). Quinta-feira, ás 18:40, a aula de Zumba e Ritmos volta com tudo. Até lá!

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi adiada!



O SINDECC informa que a reunião que aconteceria amanhã, 18 de janeiro, às 16h, no Ministério do Trabalho, foi adiada para a próxima quinta-feira, 19 de janeiro, às 17h; visto que, o Mediador Francisco Reginaldo informou de última hora que precisará se ausentar por motivo de força maior.

A Diretoria do SINDECC reforça a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato, inclusive, na reunião de quinta-feira no Ministério do Trabalho. Juntos sairemos mais fortes e unidos.




sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Reunião entre SINDECC e SINDLOJA foi marcada para o dia 18 de janeiro




No dia 30 de novembro de 2016, os comerciários, em Assembleia Geral Extraordinária, aprovaram a Pauta de Reivindicações com 68 cláusulas. No dia 09 de dezembro de 2016, esta mesma Pauta foi enviada e protocolada junto ao Ministério do Trabalho e às entidades patronais.

Já no dia 27 de dezembro de 2016, na sede do Ministério do Trabalho, aconteceu uma reunião informal entre o SINDECC, SINDLOJA e o Gerente do Trabalho e Emprego, Francisco Reginaldo, onde ambas as entidades apresentaram seus novos dirigentes que farão parte do processo de negociação salarial para o ano de 2017. Na oportunidade, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 18, às 16h, no Ministério do Trabalho, quando o SINDECC receberá a contraproposta do Sindicato Patronal e repassará para toda a classe comerciária em uma nova assembleia.

Sendo assim, gostaríamos de reiterar a importância da presença da categoria comerciária em todas as reuniões de negociação e assembleias convocadas pelo seu sindicato. Juntos sairemos mais fortes e unidos.

A Direção do SINDECC

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Feminicídio, Chacina em Manaus e outras heranças de 2016

Karinny Oliveira e Ronaldo Sales falam em entrevista empolgante para a TV SINDECC sobre a delicada questão do feminicídio que cresce a cada dia no Brasil, a chacina em Manaus, racismo e os rumos que 2017 já começou a tomar.




sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Desrespeito com trabalhadoras e Trabalhadores na Magazine Luiza em Caruaru



Fotos: Ricardo Soares / SINDECC





















Nossa equipe de fiscalização compareceu hoje (06/01/2017), às 15h, à empresa Magazine Luiza e constatou que funcionários estão trabalhando além da jornada de trabalho permitida. Excepcionalmente, hoje, foi solicitado pela Magazine Luiza, através de comunicado* apresentado junto à esta Entidade Sindical, o funcionamento da loja para uma campanha promocional (Liquidação Fantástica), com determinação de jornada de trabalho iniciada às 06:00h até as 14:00h, porém, conforme constatado pela equipe de fiscalização do SINDECC, já se passam das 15h e a loja continua aberta com vários empregados trabalhando e, ainda segundo denúncias, muitos deles não teriam almoçado até aquele momento. A Gerente da loja afirmou que nada demais estava acontecendo, pois se trata de um momento de festa e, sendo assim, tudo estaria na normalidade. O Ministério do Trabalho já foi acionado. Esperamos que esta falta de respeito com as trabalhadoras e trabalhadores seja punida na forma da Lei.


Sindicato dos Comerciários de Caruaru - SINDECC


 

Comunicado*



quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Campanha de Sindicalização 2017: Parceria com o Dr Roberto Vieira



Durante a Campanha de Sindicalização 2017 promovida pelo SINDECC, firmamos mais um convênio para os associados e dependentes a fim de proporcionar benefícios a toda categoria comerciária. Desta vez, o Oftalmologista Dr Roberto Vieira é quem fecha uma parceria com o SINDECC.

O Dr Roberto Vieira atende na Rua Rodrigues de Abreu, 22, no bairro Maurício de Nassau (próximo ao Hospital do Coração), nos seguintes dias e horários:

De segunda-feira à sexta-feira - das 08:00 às 11:30

Especialidades:

Oftalmologia
Refração
Avaliação
Tonometria Ocular
Campimetria Computadorizada
Mapeamento de Retina
Teste Ortóptico
Exercícios Ortópticos
Urgências Oculares

Valor da Consulta é de R$ 60,00 para associados e dependentes.

Aqueles que ainda não são associados ao SINDECC, mas que desejam usufruir dos benefícios oferecidos à categoria, devem procurar a Sede do sindicato, estabelecida na Rua do Norte, nº 38, Centro, Caruaru – PE, com a documentação necessária para a confecção da carteira de sócio, qual seja: Cópias do RG, CPF, CTPS (Carteira de Trabalho), Comprovante de Residência.